Brasil

Covas é reeleito em São Paulo; vitória reforça centro político

Bruno Covas (PSDB) foi reeleito ontem para mais um mandato à frente da Prefeitura de São Paulo. Covas obteve 59,38% dos votos válidos, ante 40,62% do adversário no segundo turno, Guilherme Boulos (PSOL). A vitória do tucano, que carrega um dos sobrenomes mais emblemáticos da política paulista, mantém a hegemonia do PSDB na maior cidade do País e simboliza o triunfo majoritário, nas disputas de 2020, do discurso associado ao centro do espectro político nacional. Sob o ponto de vista da macropolítica brasileira, o resultado nas maiores cidades do País também consolidou a derrocada do PT nos grandes centros e os reveses dos candidatos apoiados pelo presidente Jair Bolsonaro.

Encabeçando uma aliança de 11 partidos – seu vice é Ricardo Nunes, do MDB -, Covas deu ênfase na campanha ao mote da experiência administrativa. Ele assumiu a chefia do Executivo municipal após João Doria (PSDB) deixar o posto de prefeito, concorrer e vencer a eleição de 2018 para o governo do Estado.

A conquista do neto de Mário Covas representou também uma superação pessoal – ele passa, há pouco mais de um ano, por um intensivo tratamento contra um câncer. O prefeito não se afastou do trabalho, e se tornou mais conhecido durante a gestão de enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. “Restam poucos dias para o negacionismo e o obscurantismo. São Paulo disse sim à ciência e à moderação”, afirmou Covas em seu discurso da vitória, no qual fez críticas indiretas ao presidente da República, defendeu a democracia e atacou o ódio na política.

Prefeitos do PSDB devem governar cerca de 17% dos eleitores do País a partir de 2021. O partido se manteve no primeiro lugar nesse ranking, mas perdeu poder desde a eleição anterior (24%). O DEM registrou maior crescimento, saltando de 277 prefeitos eleitos em 2016 para 476 agora (quase 12% do eleitorado). No Rio, o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) voltará a comandar o Executivo municipal. Ele derrotou o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), que tentava a reeleição com o apoio de Bolsonaro. O deputado estadual Sebastião Melo (MDB) venceu Manuela D’Ávila (PCdoB) na disputa pela prefeitura de Porto Alegre.

No Recife, onde a esquerda travava uma luta significativa e bastante acirrada, João Campos (PSB) derrotou sua prima de segundo grau, Marília Arraes (PT), no segundo turno. O filho de Eduardo Campos se tornou o prefeito mais jovem de uma capital brasileira, aos 27 anos. Trata-se de outro resultado simbólico: deixou o PT sem o comando de nenhuma capital do País, o que não ocorria havia 35 anos.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Ticiane Pinheiro posa de maiô decotado e internautas suspeitam de gravidez
+ Denise Dias faz seguro do bumbum: “Meu patrimônio”
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel