Esportes

Cotado no Palmeiras, Barros tem perfil discreto e contratou Seedorf e Loco Abreu

O novo diretor de futebol do Palmeiras deve ser um profissional que se notabilizou pela capacidade de resolver crises e por ter conseguido contratações de impacto para o Botafogo. Anderson Barros é quem deve assumir a vaga deixada por Alexandre Mattos e liderar a nova configuração do departamento de futebol do clube.

Barros deixou o cargo de gerente de futebol do Botafogo e está perto de assumir o cargo no Palmeiras. O contrato deve ser válido por duas temporadas. Nesta última passagem pelo clube carioca, o dirigente conquistou o título do Campeonato Carioca em 2018 e participava nos últimos dias das discussões internas sobre o transição para o formato do clube-empresa.

A primeira passagem de Barros pelo Botafogo foi de 2009 a 2012 e foi marcada por contratações de reforços renomados. Um deles foi o atacante uruguaio Loco Abreu, trazido em 2010. Dois anos depois foi a vez do clube anunciar o meia holandês Clarence Seedorf. Nesse período a equipe alvinegra ainda contou com as vindas de Lodeiro, Herrera e Elkeson.

O dirigente teve a oportunidade de trabalhar depois no Coritiba, Vasco, Vitória e Bahia antes de retornar ao Botafogo. Nesses clubes, Barros mostrou habilidade para contornar crises financeiras e de resultados. A principal delas foi em 2013, quando o Bahia passou por uma intervenção na Justiça e teve o presidente afastado. Coube ao então diretor de futebol gerir o clube.

Pouco depois, no Vitória, Barros montou o elenco que em 2015 conquistou o acesso à Série A do Campeonato Brasileiro do ano seguinte e conseguiu como contratação de destaque o atacante Marinho, que atualmente está no Santos. O dirigente mostrou nesses trabalhos ter bom convívio com o elenco e conseguir proteger os jogadores de interferências externas, principalmente na parte política.

O Palmeiras se aproximou de Barros por gostar do perfil mais discreto e conciliador. O clube pretende trabalhar em 2020 com um comitê de gestão formado por dirigentes, cuja função será participar das decisões do novo diretor de futebol. Por isso, o nome buscado foi de alguém que pudesse se encaixar nessa nova estrutura sem criar grandes desgastes.

Barros não foi a primeira opção buscada pelo Palmeiras. O clube teve anteriormente reuniões com Rodrigo Caetano, do Internacional, e depois recebeu a recusa de Diego Cerri, do Bahia. A diretoria chegou a avaliar os nomes de Thiago Scuro, do Red Bull Brasil, e Paulo Pelaipe, do Flamengo.