Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

A seleção da Costa Rica, em meio a um clima de ansiedade, realizou seu primeiro treino em Doha nesta quarta-feira, onde na terça-feira da semana que vem enfrentará a Nova Zelândia, valendo a última vaga na Copa do Mundo do Catar-2022.

“Neste momento sentimos uma emoção extra que temos que controlar, porque pode afetar um pouco nossos nervos, mas de forma positiva”, disse o lateral esquerdo Bryan Oviedo, do time dinamarquês Copenhague.

“No jogo, o mais importante será manter o zero atrás, não se desesperar porque isso pode nos levar a cometer erros”, acrescentou o meio-campista do Herediano, Yeltsin Tejada.

As declarações foram dadas antes do primeiro treino da seleção centro-americana no Catar, com toda a equipe e com a presença de seu astro, o goleiro do PSG, Keylor Navas.

Os ‘Ticos’, que já participaram de cinco Copas do Mundo, lutam para disputar seu terceiro mundial consecutivo.

O duelo tem provocado grande expectativa na torcida costarriquenha. Na segunda-feira, apesar de ser um dia de trabalho, centenas de torcedores saíram às ruas vestindo camisas da seleção e bandeiras da Costa Rica para se despedir do ônibus que levava os jogadores ao aeroporto.

Até o governo da Costa Rica está considerando declarar feriado na terça-feira para que os torcedores possam assistir a partida.

“Espero que o governo dê a tarde de folga”, disse no Catar o presidente da Federação Costarriquenha de Futebol, Rodolfo Villalobos. Inclusive se a Costa Rica se classificar para a Copa do Mundo “o feriado será forçado, imagino pouquíssimas pessoas voltando ao trabalho”, acrescentou.

A equipe comandada pelo colombiano Luis Fernando Suárez entrou em campo no estádio Ahmed bin Ali, palco do confronto decisivo, por volta das 21h locais (15h de Brasília) para fugir do calor.

Os jogadores da Tricolor treinaram em um gramado em perfeitas condições e com ar condicionado, o que permitiu que eles realizassem exercícios a uma temperatura de 19 graus, e não aos 35 registrados pelos termômetros do lado de fora.

“Todos nós queremos jogar essa partida, mas neste momento está claro para nós que ainda faltam vários treinos antes de chegarmos na próxima terça-feira para dar tudo e poder nos classificar”, disse Oviedo.

“São 90 minutos e muita gente acredita que somos favoritos, mas não podemos esquecer que seremos 11 contra 11 e tudo pode acontecer”, disse Tejeda.

jjr/cl/aam