Economia

Corte de juros é uma possibilidade na zona do euro, diz vice do BCE

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Luis de Guindos, afirmou nesta quinta-feira que, por enquanto, cortes nas taxas de juros “são apenas uma possibilidade” e disse esperar que os índices de preços ao consumidor da zona do euro percam ainda mais fôlego nos próximos meses. No entanto, de acordo com o dirigente, o BCE irá agir com uma combinação de medidas se perceber que as expectativas de inflação perderem força.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

Em discurso feito em uma universidade na Espanha, o vice-presidente do BCE disse ter uma ampla gama de instrumentos à disposição e citou as compras líquidas de ativos, o relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês), como “um deles”. De acordo com ele, “pode haver uma combinação de ações que enviaram o sinal e a determinação do conselho de diretores de que estamos abertos a agir”.

De Guindos comentou, ainda, que os indicadores econômicos apontam para um crescimento mundial “bastante moderado” e disse que o BCE está preparado para agir se o cenário de deterioração na perspectiva econômica se mantiver.

Veja também

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea