Mundo

Japão corre contra o tempo para encontrar sobreviventes de deslizamento de terra

Japão corre contra o tempo para encontrar sobreviventes de deslizamento de terra

Soldados japoneses durante os trabalhos de resgate na cidade de Atami - AFP


As autoridades da cidade de Atami, na região central do Japão, tentavam estabelecer nesta terça-feira um balanço de vítimas do grande deslizamento de terra provocado pelas chuvas torrenciais que destruiu dezenas de casas e provocou pelo menos quatro mortes.

A esperança de encontra sobreviventes diminui com o passar do tempo e o período de 72 horas após a catástrofe – no qual segundo os especialistas é possível encontrar pessoas com vida – chegou ao fim na manhã de terça-feira.

O balanço oficial até o momento registra quatro mortes, mas as autoridades enfrentam dificuldades para localizar algumas pessoas porque muitas casas da região são usadas como residências secundárias.

O canal público NHK informou que a lista de moradores que podem ter sido atingidos pelo deslizamento de terra inclui 29 pessoas. Os nomes foram divulgados pela imprensa com a esperança de que apresentem notícias sobre seu paradeiro.

“Faremos todo o possível (…) e vamos rezar para que possamos encontrar todas as pessoas”, declarou o prefeito de Atami, Sakae Saito, que algumas horas antes havia mencionado 24 pessoas desaparecidas.

As autoridades anunciaram na segunda-feira que uma das vítimas identificadas era Chiyose Suzuki, de 82 anos, que não resistiu aos ferimentos e faleceu no hospital.

Seu filho mais velho, 56 anos, declarou à agência Kyodo que lamenta não ter conseguido retirar a mãe, que tinha dificuldades para caminhar, quando a polícia ordenou a evacuação.

“Deveria ter retornado e a retirado eu mesmo”, disse.

O deslizamento de terra aconteceu no sábado, após vários dias de fortes chuvas em Atami, um balneário cercado por montanhas.

Três dias após a catástrofe, Atami tem um cenário de desolação, com várias casas destruídas, veículos tombados e ruas intransitáveis.

Quase 130 edifícios foram destruídos ou danificados pelo deslizamento de terra que atingiu uma zona residencial da cidade.

Imagens filmadas a partir de helicópteros mostram um rio de lama e rochas de quase dois quilômetros que segue até o mar.

Os 1.100 socorristas retomaram os trabalhos de busca e tentavam abrir caminho entre os escombros.



Atami, que fica na encosta de uma montanha, 90 km ao sudoeste de Tóquio, registrou 313 mm de chuva em 48 horas na sexta-feira e sábado. A média de julho nos últimos anos é 242 mm.

Grande parte do Japão está em plena temporada de chuvas, o que provoca inundações e deslizamentos de terra.

De acordo com os cientistas, o fenômeno é agravado pela mudança climática, pois a atmosfera mais quente retém mais água e aumenta o risco e a intensidade das chuvas.

Veja também
+ Corpo de Gabby Petito é encontrado, diz site; legista afirma que foi homicídio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Instituto Gabriel Medina fecha portas em Maresias
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio