Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

Por Guy Faulconbridge

LONDRES (Reuters) – A Rússia disse nesta segunda-feira que o Ocidente não deve ter ilusões de que Moscou simplesmente tolerará a expansão nórdica da aliança militar ocidental Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), liderada pelos Estados Unidos, para incluir Suécia e Finlândia, classificando a medida como um erro que aumentaria a tensão militar.

Vladimir Putin, líder supremo da Rússia desde o último dia de 1999, citou repetidamente a ampliação pós-soviética da Otan para o leste em direção às fronteiras da Rússia como uma razão para a invasão da Ucrânia.

A guerra, no entanto, fomentou uma das maiores mudanças na arquitetura de segurança da Europa em décadas: movimentos antes impensáveis ​​da Suécia e da Finlândia, essa última que compartilha uma fronteira de 1.300 quilômetros com a Rússia, para se juntar à aliança militar.

“Elas não devem ter ilusões de que vamos simplesmente tolerar isso –e nem Bruxelas, Washington e outras capitais da Otan”, disse o vice-chanceler russo, Sergei Ryabkov, segundo a agência de notícias estatal RIA.

Ryabkov, que liderou negociações com os EUA sobre uma proposta russa de interromper a expansão da Otan para o leste, disse que as decisões de Helsinque e Estocolmo de ingressar na aliança são um erro.

“O nível geral de tensão militar aumentará, a previsibilidade nessa esfera diminuirá. É uma pena que o bom senso esteja sendo sacrificado por alguma disposição fantasmagórica sobre o que deve ser feito nessa situação em desenvolvimento”, disse Ryabkov.

A Rússia deu poucas pistas sobre o que fará em resposta ao alargamento nórdico da Otan, dizendo apenas que haveria uma “resposta técnico-militar”.

Um dos aliados mais próximos de Putin disse no mês passado que a Rússia poderia mobilizar armas nucleares e mísseis hipersônicos no exclave russo de Kaliningrado se Finlândia e Suécia se juntarem à Otan.

A adesão da Finlândia e da Suécia à Otan –fundada em 1949 para fornecer segurança europeia contra a União Soviética– seria uma das maiores consequências estratégicas da invasão russa da Ucrânia até hoje.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou que tal ampliação da Otan não fortaleceria a segurança da Europa.

O Ocidente diz que a Otan –uma aliança de 30 países, incluindo ex-Repúblicas que fizeram parte da aliança militar do bloco soviético Pacto de Varsóvia, como Polônia e Hungria, além de potências nucleares como Estados Unidos, Reino Unido e França– é puramente defensiva.

Moscou afirma que a Otan ameaça a Rússia e que Washington ignorou repetidamente as preocupações do Kremlin sobre a segurança de suas fronteiras no Ocidente, fonte de duas devastadoras invasões europeias em 1812 e 1941.

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI4F0HC-BASEIMAGE