Economia

Correção: Petróleo fecha sem sinal único; WTI atinge maior nível em 21 meses


A nota enviada anteriormente continha uma incorreção no título, onde faltou a palavra “sem”. O correto, portanto, é que o petróleo fechou “sem sinal único”. Segue a nota com repetição do texto e com o título corrigido.

Os contratos futuros de petróleo fecharam sem sinal único nesta quinta-feira, 25, em uma sessão em que os preços acompanharam as oscilações do dólar, depois de ganhos de 2% na quarta-feira. Em meio a um recuo da moeda americana perante rivais, a commodity chegou a se valorizar. Mas, com o dólar operando perto da estabilidade, o resultado foi revertido.

Mesmo assim, o WTI atingiu o maior nível em 21 meses, levando em conta os contratos mais líquidos. A variação da moeda teve especial relevância em um dia sem grandes notícias sobre a produção. A expectativa agora é pela reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) na próxima semana.

O petróleo WTI para abril fechou em alta de 0,49% (+US$ 0,31), cotado a US$ 63,53 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), enquanto o Brent para igual mês recuou 0,24% (+US$ 0,16), a US$ 66,88 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).

O dólar chegou a se desvalorizar fortemente perante rivais, em especial o euro, o que impulsionou os preços do petróleo, na medida em que tornou a commodity mais barata para detentores de outras divisas. No entanto, ao final da sessão, o movimento diminuiu, com o índice DXY ficando perto da estabilidade, pressionando o petróleo.


+ MS: Homem que revelou amante pouco antes de ser intubado deixa UTI-covid
+ Ratinho critica Dudu Camargo: ‘Só o Silvio gosta dele’



Entre analistas, há a percepção de que as altas recentes tem fundamentos para prosseguirem. A Capital Economics avalia que o Brent deve chegar a US$ 70 em 2021. Citando um possível Acordo Nuclear com o Irã, que tem potencial de aumentar a oferta global de petróleo, a consultoria acredita que o impacto maior deve ficar para 2022, quando o barril de Brent deve recuar para US$ 55.

O Barclays vê alguns riscos aos preços, e é “cautelosos no curto prazo sobre a flexibilização do apoio da Opep+ e os riscos de variantes mais transmissíveis da covid-19”. As discussões entre nações exportadoras na próxima semana serão observadas com atenção, uma vez que há rumores de que alguns países, como a Arábia Saudita, podem estar interessados em uma redução dos cortes.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Descoberta no deserto do Kalahari leva a revisão da origem humana
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS

Tópicos

Petróleo