Brasil

Chance de impeachment de Bolsonaro cai para 10%

Crédito: AFP/Arquivos

(Arquvo) O presidente Jair Bolsonaro usa máscara em cerimônia no Palácio da Alvorada, em Brasília (Crédito: AFP/Arquivos)

A melhora na popularidade do presidente Jair Bolsonaro – cujo governo está com a melhor aprovação desde o início do mandato, segundo pesquisa Datafolha – reduz as chances, que já eram remotas, de um impeachment, segundo avaliação feita pela Eurasia.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

A consultoria de risco político cortou de 15% para 10% a probabilidade de o presidente perder o mandato e avalia ainda que a melhor aprovação de Bolsonaro enfraquece o risco fiscal do Brasil, já que fortalece o capital político do chefe do Executivo para levar adiante as reformas.

A Eurasia atribui o ganho de popularidade de Bolsonaro à estabilização no número diário de mortes por coronavírus no Brasil, que transmite uma percepção à opinião pública de que a pandemia parou de piorar, e ao auxilio emergencial, que alcançou 43% dos lares brasileiros.

Mesmo considerando a tendência de perda de popularidade do presidente quando o auxílio for retirado, a Eurasia diz que a chance de impeachment é improvável.

A consultoria assinala em seu relatório que o número de mortes causadas por covid-19 está caindo nos Estados mais afetados no início da pandemia, ao passo que, na maioria dos centros urbanos, o sistema público de saúde conseguiu dar conta do atendimento, evitando que o medo de cenas de “corpos nas ruas” se materializasse.

“Do ponto de vista da opinião pública, isso se traduz num ‘novo normal’ no qual a pandemia não está piorando. E para o público, a preocupação sobre a trajetória da doença provavelmente diminuiu. A gestão de Bolsonaro da covid-19 ainda não é um ativo, mas começa a ser um passivo menor”, avalia a Eurásia.

Mais do que isso, diferentemente de análises que apontam para a possibilidade de Bolsonaro manter os pesados gastos lançados no combate à pandemia para preservar o apoio popular, a consultoria avalia que o presidente, por não ter o seu mandato em risco, deverá se sentir menos pressionado a tomar medidas que colocam em risco as contas públicas.

Com o presidente ganhando popularidade, partidos de centro, avalia a Eurasia, também estarão menos propensos a votar contra a agenda do governo, de modo que, na visão da consultoria, o poder de barganha do presidente aumenta para encaminhar uma minirreforma fiscal capaz de contornar o estrago feito com o estouro do teto dos gastos.

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea