Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

A matéria publicada anteriormente trazia um erro no 3º parágrafo, que mencionava as estimativas coletadas pelo Projeções Broadcast para a conta corrente em fevereiro. O intervalo correto ia de déficit de US$ 5,290 bilhões a de US$ 1,100 bilhão, com mediana negativa de US$ 1,550 bilhão, e não com os números que foram publicados. Segue abaixo o texto corrigido:

O resultado das transações correntes ficou negativo em fevereiro deste ano, em US$ 2,414 bilhões, informou nesta sexta-feira, 29, o Banco Central. Este é o melhor desempenho para meses de fevereiro desde 2017, quando o saldo foi negativo em US$ 291,9 milhões.

Com a trégua na greve dos servidores do BC, a autarquia começou a atualizar esta semana as divulgações que estavam atrasadas, como as estatísticas do setor externo, publicadas hoje. Mas os dados apresentados nesta manhã ainda estão defasados. As informações de fevereiro deveriam ter sido conhecidas no final do mês passado. Nesta semana, era para ser divulgado o resultado de março.

O número da conta corrente em fevereiro ficou dentro do levantamento realizado pelo Projeções Broadcast, que tinha intervalo de déficit de US$ 5,290 bilhões a de US$ 1,110 bilhão (mediana negativa em US$ 1,550 bilhão). O BC projetava para fevereiro déficit de US$ 2,6 bilhões na conta corrente.

Pela metodologia do Banco Central, a balança comercial registrou saldo positivo de US$ 3,508 bilhões em fevereiro, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 1,777 bilhão. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 4,410 bilhões. No caso da conta financeira, o resultado ficou negativo em US$ 2,900 bilhões.

No acumulado dos dois primeiros meses do ano, o rombo nas contas externas soma US$ 10,479 bilhões. A estimativa atual do BC é de superávit na conta corrente de US$ 5 bilhões em 2022. A projeção foi atualizada no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do mês passado.

Nos 12 meses até fevereiro deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em US$ 26,096 bilhões, o que representa 1,59% do Produto Interno Bruto (PIB). Esse é o menor déficit em proporção do PIB desde setembro do ano passado, quando ficou em 1,49%.