Geral

Corpo de Oliveiros S. Ferreira, ex-diretor do ‘Estado’, é sepultado em SP

O corpo do jornalista Oliveiros S. Ferreira, ex-diretor do jornal O Estado de S.Paulo, que morreu na manhã deste sábado, 21, em Campinas, aos 88 anos, foi enterrado neste domingo, 22, no Cemitério São Paulo, no bairro de Pinheiros, na capital paulista. Dezenas de amigos, companheiros de redação e da Universidade de São Paulo (USP), da qual foi professor, assistiram ao sepultamento no jazigo da família, numa cerimônia simples, sob chuva fraca.

A viúva Vânia Leal Cintra, o enteado, o jornalista William Waack, filho de Leontina de Almeida, com quem Oliveiros viveu de 1965 a 1999, e o sobrinho Antônio Carlos Pereira, editor responsável de Opinião do Estado, acompanharam a cerimônia. Julio Cesar Mesquita e Marina Mesquita, filhos de Julio de Mesquita Neto, e Rodrigo Mesquita, filho de Ruy Mesquita, membros da família proprietária do Grupo Estado, também estavam presentes.

O jornalista João Fábio Caminoto, diretor de Jornalismo do Estado, e vários colegas de redação, a maioria editorialistas, foram despedir-se de Oliveiros, ao lado de redatores e repórteres que trabalharam com ele, ao longo dos 47 anos em que permaneceu no jornal.

Compareceram ainda o professor José Álvaro Moisés, do Departamento de Ciência Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), da USP, e o chefe do Departamento, professor Álvaro de Vita.

“Oliveiros foi uma figura brilhante e profunda, de gentileza incomum com colegas e alunos”, disse Moisés. “A contribuição de Oliveiros para a reflexão sobre o papel do Estado na democracia, eficiente e eficaz para consolidar a autoridade, foi admirável.”


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

O professor Álvaro de Vita afirmou que Oliveiros era muito respeitado pelos alunos e colegas, mesmo quando divergiam de suas ideias. “Era um professor instigante que gostava do debate”, disse.

Ao comentar o papel desempenhado por Oliveiros no jornal, o jornalista Antônio Epifânio Moura Reis, diretor de Jornalismo e representante da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) em São Paulo, lembrou as dificuldades e os desafios do tempo da censura, no regime militar.

“O professor Oliveiros viveu uma situação mais que surrealista no período da censura ao Estadão, quando recebia os censores com a maior dignidade, sem se subjugar a eles. Com isso, garantia a liberdade de imprensa”, disse Moura Reis.

Veja também

+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Os 4 signos mais psicopatas do zodíaco
+ Cataratas do Niágara congelam e as imagens são incríveis
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica

v