Mundo

Coronavírus: Equador retira 150 corpos de casas em Guayaquil

Crédito: AFP

Segurança usa máscara de proteção em estação de ônibus, na capital do Equador (Crédito: AFP)

O governo do Equador removeu nos últimos três dias cerca de 150 cadáveres que estavam em várias casas em Guayaquil. Devido a pandemia do novo coronavírus, o país teve que montar uma força-tarefa militar e policial para lidar com a situação. As informações são da AFP.

No entanto, as autoridades não informaram quantas vítimas da Covid-19 há entre os 150 mortos.

De acordo com o porta-voz Jorge Wated, houve falhas do “sistema funerário” em Guayaquil, o que fez com que o serviço dos médicos legistas e das funerárias não atendessem rapidamente aos casos de mortes nas residências. A região, que concentra 70% dos casos da Covid-19 do país, está com toque de recolher.

Nas redes sociais, moradores publicaram vídeos de corpos abandonados nas ruas e mensagens de ajuda de parentes para enterrar os mortos. O Equador já registra 2.758 infectados e 98 vítimas fatais desde 29 de fevereiro.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel