Esportes

Coronavírus e adiamento da Olimpíada fazem campeão da NBA rever aposentadoria

Depois de 15 anos jogando basquete profissionalmente, Andrew Bogut está perto de tomar a decisão de quando encerrar a sua carreira. A pandemia do novo coronavírus e, consequentemente, o adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio para 2021 são fatores que não tornam mais fácil o veredicto.

Aos 35 anos, o pivô australiano já foi campeão da NBA com o Golden State Warriors em 2015 e, em 2005, foi nada menos que a primeira escolha do Draft, a cerimônia que promove os calouros para jogar na liga norte-americana. Acontece que Bogut estava planejando o seu adeus às quadras depois de defender a Austrália na Olimpíada de 2020 daqui três meses. Porém, a competição foi adiada para 2021 devido ao impacto global da covid-19.

Tais fatores têm feito o jogador repensar os seus planos. Ele jogou as duas últimas temporadas pelo time de Sydney no Campeonato Australiano de basquete. Contudo, o adiamento em um ano não garante que Bogut vá continuar treinando e jogando em alto nível até lá.

“Eu não estou fazendo muito, isso eu posso te dizer”, disse Bogut em entrevista para um programa de TV australiano neste domingo. “Estar apto a dar um beijo de boa noite nas minhas crianças e colocá-las para dormir toda noite… Eu tenho apreciado fazer isso”. Ele tem dois filhos: Luka, de três anos, e Nikola, de dois.

“Eu não estou fazendo nada de basquete desde que a temporada terminou e me sinto bem acordando, saindo da cama e não sentindo obrigação de trabalhar no garrafão”, explicou. “Tudo isso (minha carreira) foi jogado em uma máquina de lavar, essencialmente… mas há uma decisão a ser tomada provavelmente em meados de maio”, anunciou Bogut.

O pivô, que teve um papel fundamental na quarta posição da Austrália no Mundial de Basquete, realizado na China no ano passado, tem sido convocado para a seleção principal de seu país desde os Jogos Olímpicos de 2004, em Atenas, na Grécia.