MILÃO, 15 NOV (ANSA) – O coronavírus Sars-CoV-2 já circulava na Itália em setembro de 2019, muito antes do que se imaginava até agora, de acordo com um estudo divulgado neste domingo (15) pelo Instituto dos Tumores de Milão e pela Universidade de Siena.   

A pesquisa foi publicada pela revista científica Tumori Journal e se baseou em amostras coletadas em 959 pessoas que participaram de uma campanha de detecção de câncer de pulmão entre setembro de 2019 e março de 2020.   

Uma análise no sangue dos participantes mostrou que pelo menos 111 (11,6%) já tinham anticorpos para o Sars-CoV-2. Desses 111, 14% participaram da campanha de rastreio em setembro do ano passado. Até agora, acreditava-se que o novo coronavírus começara a circular na Itália em dezembro.   

Ainda segundo o estudo, os pacientes que tinham anticorpos já em setembro de 2019 eram provenientes de cinco regiões: Emilia-Romagna, Lazio, Ligúria, Lombardia e Vêneto.   

A Itália é um dos países mais atingidos pela pandemia de coronavírus e contabiliza quase 1,2 milhão de casos e mais de 45 mil mortes, de acordo com o Ministério da Saúde.   

O primeiro contágio foi detectado no fim de janeiro, mas os registros iniciais de transmissão interna apareceram entre 20 e 21 de fevereiro.   

Para conter a segunda onda da crise sanitária, o governo colocou seis regiões em lockdown (Calábria, Campânia, Lombardia, Piemonte, Toscana e Vale de Aosta), englobando 44% da população nacional. (ANSA).