Tecnologia & Meio ambiente

CoronaVac demonstrou 50,38% de eficácia geral no Brasil

CoronaVac demonstrou 50,38% de eficácia geral no Brasil

O governador de São Paulo, João Doria, mostra embalagem da CoronaVac para a imprensa na sede do Instituto Butantan, em São Paulo, 7 de janeiro de 2021 - AFP

A vacina CoronaVac, elaborada pela farmacêutica chinesa Sinovac e pelo Instituto Butantan, mostrou eficácia geral de 50,38% nos testes feitos no Brasil, onde foi aplicada em profissionais de saúde em contato direto com a covid-19, anunciou o instituto nesta terça-feira (12).

O Butantan reafirmou seu anúncio da semana passada de que o imunizante teve 78% de eficácia em casos leves de covid-19 (que requerem algum tipo de assistência médica, mas não internação) e 100% nos casos moderados e graves.

“Essa vacina tem segurança, tem eficácia, e todos os requisitos que justificam o uso emergencial”, afirmou o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.

Durante os testes não foram registrados efeitos colaterais graves relacionados com a vacina, que tampouco produziu reações alérgicas significativas.

A vacina foi testada em 12.500 voluntários, “profissionais da saúde com contato direto com a covid-19”, disse Ricardo Palacios, gerente médico de ensaios clínicos do Butantan, o maior fabricante de vacinas da América Latina, subordinado ao estado de São Paulo.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

“Se a vacina resistisse a esse teste, ia se comportar infinitamente melhor em nível comunitário”, acrescentou.

A eficácia geral, que inclui os casos leves de covid-19 (que não exigiram nenhum tipo de assistência), mas não os assintomáticos, cumpre com o mínimo de 50% exigido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), embora se situe muito abaixo da eficácia divulgada por outras vacinas, como a americana Moderna (94,1%) e americana-alemã Pfizer/BioNTech (95%).

O Butantan apresentou na sexta-feira passada junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o primeiro pedido no país para uso emergencial de uma vacina contra a covid-19. Foi seguido poucas horas depois por um pedido similar para a vacina da Oxford/AstraZeneca, desenvolvida com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), vinculada ao Ministério da Saúde.

O Butantan foi criticado na semana passada por revelar os dados da CoronaVac sem o percentual global de eficácia, em um momento em que as vacinas viraram tema de disputa política entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, possíveis adversários nas eleições de 2022.

O Brasil soma mais de 203 mil mortos e 8 milhões de contagiados pela covid-19 e vive desde novembro uma segunda onda da pandemia, que também teve um duro impacto econômico no país.

São Paulo prevê iniciar sua caminha de vacinação contra a covid em 25 de janeiro. Pequim já enviou a São Paulo 10,7 milhões de doses e insumos para fabricar outras 40 milhões.

A Fiocruz prevê, por sua vez, importar dois milhões de doses da vacina da AstraZeneca, produzida pelo Instituto Serum, da Índia.

O Ministério da Saúde ainda não apresentou uma data para o início de seu plano de vacinação.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ 6 fotos em que o design de interiores do banheiro foi um fracasso total. Confira!
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel