Esportes

Corinthians ‘retira’ verde da bandeira LGBTQIA+ e recebe críticas de comentarista da Globo

A postagem do Timão dividiu opiniões; alguns torcedores entenderam que o importante seria a mensagem passada 

Corinthians ‘retira’ verde da bandeira LGBTQIA+ e recebe críticas de comentarista da Globo

O Corinthians fez uma postagem para apoiar o Dia Internacional de Combate à Homofobia nas redes sociais, nesta terça-feira (17), mas o que gerou debate na publicação na internet foi o fato do clube decidir substituir o verde da bandeira – que remete ao rival Palmeiras – para a cor cinza.

A foto foi compartilhada pelo comentarista Pedro Moreno, da Globo, que chamou a atitude de ‘mesquinharia’ e ‘idiotice sem tamanho’.

– Tentar ocultar o verde da bandeira LGBTQIA+ é de uma mesquinharia, de uma idiotice sem tamanho! Que ação lamentável do Corinthians!!! Não resolvemos nossas demandas sociais porque a preocupação real nunca é com a causa. A diferença é que hoje há a necessidade de aparentar engajamento – opinou o jornalista.

O jornalista foi rebatido por um internauta que apoiou a decisão do Corinthians em ocultar o verde e afirmou que o jornalista não deveria mais comentar jogos do time. Pedro Moreno respondeu mantendo sua opinião.

– Alterar a cor e desfigurar uma bandeira que representa toda uma causa é retrógrado, pequeno. Não condiz com o tamanho do Corinthians. Tratar a questão com clubismo em nada ajuda o debate. Corinthians foi muito bem em outras ações, como no caso Avelar. Mas nessa pisou feio na bola!

Outros torcedores apoiaram ou não viram problemas na atitude do Corinthians. A ex-ESPN FC e editora do “JogaMiga”, Nayara Perone, destacou que o importante é a mensagem passada.

– Não tiraram o verde, só mudaram o tom para um tom pastel. Nada demais, segue o jogo. Parabéns pelo posicionamento. O importante é a mensagem – tuitou.

O Dia Internacional Contra a Homofobia, a Transfobia e a Bifobia, é comemorado no dia 17 de maio e visa aumentar a conscientização sobre as violações dos direitos LGBTQIA+ e estimular o interesse pelo trabalho pelos direitos LGBTQIA+ em todo o mundo.