Mundo

Coreia do Norte explorou prisioneiros de guerra por décadas, afirma ONG

Coreia do Norte explorou prisioneiros de guerra por décadas, afirma ONG

Dezenas de milhares de prisioneiros da guerra sul-coreanos nunca foram devolvidos por Pyongyang após a Guerra da Coreia (1950-1953) - AFP


A Coreia do Norte submeteu durante décadas prisioneiros de guerra sul-coreanos e seus descendentes trabalhos forçados em uma ampla rede de minas de carvão, afirmou uma organização de defesa dos direitos humanos.

Dezenas de milhares de prisioneiros sul-coreanos nunca foram libertados por Pyongyang após a Guerra da Coreia (1950-1953).

Esses detentos foram enviados a minas de carvão para viver em condições análogas à escravidão e seus filhos e netos herdaram esse mesmo destino cruel, segundo um relatório da Aliança Cidadã pelos Direitos Humanos na Coreia do Norte (NKHR), publicado na quinta-feira (quarta, 24, no Brasil).

O sistema conhecido como “songbun” classifica os cidadãos da Coreia do Norte com base em suas origens sociais e políticas.

A absoluta lealdade às autoridades é um fator crucial e aqueles cujos antepassados colaboraram com o inimigo japonês ou foram capitalistas ficam em último lugar.


+ Homem que vivia ‘casado’ com a própria filha é preso após polícia investigar agressão contra criança
+ Família de Schumacher coloca mansão à venda por R$ 400 milhões
+ Pão de Queijo: faça uma das receitas mais gostosas do Brasil



“Esse sistema songbun é transmitido a seus filhos e netos, que seguem trabalhando em minas de carvão, chumbo, zinco, magnésio e outros”, indica o documento da ONG sediada em Seul. Isso os impede de “trocar de casa, emprego ou realizar estudos mais avançados”, acrescenta.

A Coreia do Norte invadiu o Sul em 1950 e, até o cessar-fogo, centenas de milhares de soldados foram capturados em ambos os lados da Zona Desmilitarizada.

De acordo com a Convenção de Genebra de 1949, um país não pode manter prisioneiros de guerra após o fim de um conflito, mas Pyongyang só permitiu o retorno de 8.343 sul-coreanos.

Em 2014, um relatório da ONU estimou que ao menos 50 mil prisioneiros de guerra sul-coreanos permaneceram no Norte após a guerra e que cerca de 500 ainda estavam vivos.

O governo de Seul, no entanto, ignorou o sofrimento dessas pessoas, que foram esquecidas nas cinco cúpulas intercoreanas, disse à AFP Joanna Hosaniak, autora do relatório.

A Coreia do Norte afirma que respeita os direitos humanos e que devolveu todos os prisioneiros de guerra.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS