Geral

COP25: falta de ambição divide plenário de conferência

Mesmo com novos projetos de resolução trabalhados durante a noite e apresentados hoje de manhã (14), o plenário da reunião do clima da Organização das Nações Unidas (ONU) continuava dividido, com União Europeia e países como o Brasil e México em desacordo com os textos.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

Já em “tempo extra”, depois de a 25ª Conferência das Partes (COP25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas ter chegado ao seu último dia na sexta-feira (13), referências à ambição das metas nacionais e referências aos relatórios científicos levaram várias nações a manifestar “desconforto” e desacordo em relação aos textos em discussão.

A delegação da União Europeia declarou que as partes não podem sair de Madrid “sem uma forte mensagem de ambição”.

“É algo que, no exterior, esperam de nós, e nós temos que ouvir esse apelo”, afirmou a porta-voz da delegação, defendendo que o projeto de declaração final “precisa de ser fortalecido e o nível de ambição tem que ser mais elevado”.

A delegação mexicana notou também que no rascunho de resolução “não há referência a um dos feitos mais aplaudidos” da conferência: “a adoção de um novo plano de ação para o genero, que leve em conta os direitos humanos e os desafios que as comunidades locais e os povos indígenas enfrentam”.

Do mesmo modo, a delegação do Belize assinalou que “esta era a COP da ambição, mas não se vê”, acrescentando que “as referências à ciência foram enfraquecidas e todas as referências a reforçar as contribuições nacionais desapareceram”.

O Brasil manifestou “profundo desconforto” com a inclusão no texto de uma proposta para aprofundar o debate sobre os efeitos das alterações climáticas em terra, entendendo que “não há razão para prosseguir esta discussão”, que se debruça sobre gestão de florestas e outros temas.

“Queremos que se apague qualquer proposta nesse sentido, e não estamos sozinhos nessa posição”, tratando-se de “uma linha vermelha” para a representação do Brasil e para países como a Argentina ou o Uruguai.

Arábia Saudita e Rússia manifestaram-se contra a posição brasileira, defendendo que não há razão para manter no texto referências aos efeitos do aquecimento global nos oceanos e retirar as que dizem respeito aos efeitos em terra.

Com o plenário novamente interrompido, foi dado tempo às delegações para estudarem e decidirem sobre um novo texto que se refere à aplicação do artigo 6 do Acordo de Paris para limitar o aquecimento global, que será novamente analisado numa reunião que não tem, para já, fim à vista.

Veja também

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea