Brasil

Desgastado, Congresso pode ser afetado pela paralisia em ano eleitoral

De olho nas eleições, o legislativo inicia o ano tentando reverter a avaliação negativa e foca na pauta econômica, apesar do apelo de Bolsonaro pela agenda de costumes

Crédito: Marcos Brand

ANTAGÔNICOS Rodrigo Pacheco (à esq.) e Arthur Lira lideram as casas legislativas em ano eleitoral (Crédito: Marcos Brand)

Desacretidados, os parlamentares voltaram aos trabalhos esta semana e terão menos de um ano para reverter a má avaliação popular. Pesquisas do XP/Ipespe e do Datafolha indicam que menos de 10% aprovam o trabalho dos congressistas. A percepção do cidadão comum é que nenhuma iniciativa eficaz surge dos legisladores. A expectativa nos bastidores é de que, em um ano eleitoral, o Congresso contará com apenas 90 dias úteis para a execução de uma agenda extensa, que passa por reformas, projetos de desenvolvimento social e pautas de costumes que o presidente tentará aprovar. Descrentes na reeleição de Bolsonaro, os integrantes da base aliada deverão dedicar a maior parte do tempo às suas próprias campanhas.

Atento a cada passo, o mandatário precisa aprovar os projetos de uma agenda econômica populista, mesmo que isso implique na implosão do teto de gastos. Também voltarão à cena, as pautas de retrógradas, já que os movimentos conservadores mais sectários são base do governo. No discurso ao Congresso na volta do recesso, o presidente alfinetou Lula por conta da possibilidade de regulação da mídia e mandou recado ao TSE, que monitora o aplicativo Telegram, dizendo esperar que nenhum Poder interfira na liberdade de expressão na internet. O ex-capitão também acenou para ruralistas e defensores da questão do armamento.

“A pauta de Bolsonaro não tem nenhuma conexão com as necessidades do povo” Marcelo Ramos, deputado (Crédito:Mateus Bonomi)

Líderes do Congresso, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (PSD-MG) mantêm o diálogo, mas deixam claro estarem em campos políticos opostos. Enquanto o presidente da Câmara defende o governo, o presidente do Senado é o nome presidenciável do PSD, até o momento. Na cerimônia, Lira disse que “agora o momento é união e diálogo porque o País tem pressa”, mas aproveitou para ironizar quem questiona as decisões do Parlamento, numa alusão a Reforma Trabalhista criticada por Ciro Gomes e Lula. Pacheco preferiu alvejar Bolsonaro. Ele destacou que as eleições devem ser respeitadas e que será um ano de “defesa da democracia”.

Cientes do descrédito, parlamentares minimizam as críticas da sociedade. O vice-presidente da Câmara, deputado Marcelo Ramos (PSD-AM), pensa que “a população tem pouca compreensão do papel do Parlamento e acaba tendo uma visão distorcida”. Ele defende o protagonismo do Congresso na Reforma da Previdência, auxílio emergencial e vale gás. A deputada Carla Zambelli (PSL-SP), por seu lado, “defende a pauta da direita eleita em 2018” e atacou os pares, afirmando que “uma parcela dos congressistas não colocam os interesses nacionais acima dos pessoais, o que desgasta a imagem do Parlamento”. O senador Fabiano Contarato (PT-ES) crê que a “população valoriza o Congresso”, destacando que “o Senado impôs relevantes freios aos surtos autoritários e atentados de Jair Bolsonaro”. Para a deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP) é compreensível o descontentamento da população. “O Congresso aprova os projetos contra o povo, não responde às necessidades da crise econômica e social e não pune Bolsonaro”.

O Congresso, no entanto, tem temas urgentes para discutir, tais como: confirmar o salário mínimo de R$ 1.212, autorizar a remessa humanitária de vacinas contra a Covid, a ampliação do Programa Prouni para estudantes de escolas particulares e os créditos extraordinários para enfrentamento às enchentes.

A liberalidade econômica prometida pelo presidente e chancelada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, não se realizou. O governo tenta se salvar com uma Reforma Tributária que atraia investimentos do exterior, mas não há otimismo que ela seja aprovada em ano eleitoral. A respeito da Reforma Administrativa, líderes do governo dizem que esse assunto deverá ficar para 2023. O controle de preço dos combustíveis é outro tema difícil. Primeiro porque mexerá com os impostos estaduais (ICMS) e os governadores mobilizarão suas bases contra o projeto. A redução dos impostos do gás de cozinha e do diesel serão as prioridades. Ainda dentro da pauta econômica, a privatização dos Correios está travada no Senado. Com objetivo de aumentar a arrecadação de impostos, mas com uma resistência dos evangélicos, estará em debate a liberação dos cassinos e dos bingos. O senador Flávio Bolsonaro, inclusive, viajou para Las Vegas, EUA, para saber mais sobre o setor.

A pauta de costumes perdeu muita força, principalmente depois que Bolsonaro se aliou ao Centrão. Mas segue no horizonte dos bolsonaristas. Ele quer voltar à discussão da redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. Também insiste no aumento do número de armas de fogo para colecionadores e caçadores de 6 para 16. É provável que inclua outros temas no decorrer do ano, mas será apenas cortina de fumaça. Dificuldades é o que o mandatário deverá colher no Congresso, segundo o cientista político Rubens Figueiredo. Ele diz que o presidente não conseguiu montar uma base sólida no parlamento e costuma “abraçar causas muito polêmicas e inadequadas para um ano eleitoral”. Figueiredo ainda avalia que deputados e senadores estão muito expostos às críticas e só aparecem de forma positiva quando existem grandes reações ao governo federal, como no “caso de impeachment de presidente da República”. O tipo de oportunidade que esse legislativo perdeu e não foi por falta de motivos.

Tópicos

agenda congresso nacional bolsonaro hoje Como é composto o Senado Federal? Como foi construído o Congresso Nacional? Como se fala com o Presidente? congresso nacional arquitetura congresso nacional função congresso nacional hoje congresso nacional hoje ao vivo congresso nacional onde fica Eduardo Bolsonaro escolaridade de lula fábio luís lula da silva fale com o congresso nacional idade da namorada do lula jair bolsonaro facebook jair bolsonaro idade jair bolsonaro instagram jair bolsonaro na praia grande jair bolsonaro partido jair bolsonaro twitter lula hoje lula instagram lula namorada lula oficial ao vivo lula tem ensino médio O que acontece no Palácio do Congresso Nacional? O que funciona as duas torres do Congresso Nacional? O que o Congresso Nacional? O que significa as duas bacias do Congresso Nacional? Pode Rexecutivo? Quais as duas Casas do Congresso Nacional? Quais as principais características dos governos do presidente Lula? Quais cargos Lula já ocupou? Quais são os órgãos que compõem o Congresso Nacional? Qual a formação do Eduardo Bolsonaro Qual a origem de Bolsonaro? Qual a profissão de Eduardo Bolsonaro Qual dos três poderes é exercido pelo Congresso Nacional bicameral quantos senadores e quantos deputados federais podemos ter por Estado? Qual é a descendência de Jair Messias Bolsonaro? Qual é a importância do Congresso Nacional? Qual o cargo de Flávio Bolsonaro? Qual o endereço do Presidente da República? Quando Lula entrou para presidente? Quantas vezes Lula disputou as eleições? Quanto tempo dura o mandato do Jair Bolsonaro? Quanto tempo faz que Jair Bolsonaro é presidente do Brasil? Quantos anos tem a esposa de Jair Bolsonaro? Quantos filhos o Jair Bolsonaro tem? Quantos votos Lula teve na segunda eleição? Quem é a esposa de Flávio Bolsonaro? Quem é a primeira esposa de Jair Bolsonaro? quem e o presidente do congresso nacional 2021 Quem é que construiu o Congresso Nacional? Quem era o presidente antes de Lula? Quem foram os presidentes do PT?