O Congresso do Equador condenou, nesta quinta-feira (20), o que chamou de “declarações impróprias” do presidente Daniel Noboa sobre seus pares de El Salvador, Colômbia, Chile e Argentina divulgadas pela revista americana The New Yorker.

Noboa disse que o governante salvadorenho, Nayib Bukele, é “um arrogante” que busca “enriquecer sua família”, e chamou o colombiano Gustavo Petro de “esnobe de esquerda”, segundo artigo do jornalista Jon Lee Anderson, publicado na última segunda-feira.

Sobre o chileno Gabriel Boric, Noboa disse que ele “parece estar bem” em seu mandato, mas tem problemas devido aos seus aliados “de extrema esquerda”. Sobre o argentino Javier Milei, disse que “não conseguiu nada desde que se tornou presidente”.

Após a publicação, a Assembleia Nacional, que tem 137 membros e onde a oposição é maioria, decidiu por 86 votos “rejeitar e condenar energicamente as declarações inoportunas, improcedentes, impróprias, inconvenientes e infelizes” do presidente equatoriano.

O Legislativo também fez um pedido público de desculpas a Bukele, Petro, Boric e Milei, por considerar que as opiniões de Noboa têm um impacto grave “na imagem internacional do Equador”.

A chanceler Gabriela Sommerfeld informou que procurou os governos envolvidos para dar explicações, e afirmou que o artigo da New Yorker buscava “causar danos” ao Executivo.

pld/sp/dga/lb/mvv