Mundo

Congressistas democratas dos EUA criticam papel da OEA em crise na Bolívia

Congressistas democratas dos EUA criticam papel da OEA em crise na Bolívia

O Capitólio, em Washington, em 17 de dezembro de 2018 - AFP/Arquivos

Catorze congressistas democratas dos Estados Undos – entre eles Alexandria Ocasio-Cortez e Ilhan Omar – criticaram nesta sexta-feira o papel da OEA na crise da Bolívia, onde a disputa política após as eleições de 20 de outubro deixou 32 mortos.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

“Queremos expressar nossas preocupação com as declarações feitas por funcionários da Organização dos Estados Americanos (OEA), uma organização multilateral que recebe a maioria de seus fundos do governo dos Estados Unidos”, disseram os congressistas em uma carta dirigida ao secretário de Estado, Mike Pompeo.

Em uma auditoria sobre a apuração das eleições de 20 de outubro, enviados da OEA denunciaram “irregularidades” e rejeitaram o resultado oficial que consagrou a reeleição de Evo Morales sem necessidade de um segundo turno com o candidato de centro-direita Carlos Mesa.

A Bolívia está dividida entre Morales – que se refugiou no México após renunciar à presidência devido ao que considera um golpe de Estado – e um governo interino liderado por Jeanine Añez, que apresentou uma denúncia – aceita pela promotoria – para investigar o ex-presidente indígena por acusações de “terrorismo”.

A carta está assinada por Hank Johnson, Ilhan Omar, Susan Wild, Raul Grijalva, Jan Schakowsky, Jared Huffman, Deb Haaland, Alexandria Ocasio-Cortez, James McGovern, Jesus G. “Chuy” Garcia, Bobby L. Rush, Ayanna Pressley, Alan Lowenthal e Eleanor Holmes Norton.

“Em particular nos preocupam as declarações infundadas e enganosas feitas pela missão eleitoral da OEA na Bolívia em 21 de outubro, das quais posteriormente o Departamento de Estado fez eco”, indicaram os congressistas.

Para os representantes democratas, essas declarações contribuíram para uma “maior polarização”.

“Os funcionários de Estados Unidos devem agir com maior precaução e avaliar os fundamentos das afirmações dos funcionários da OEA antes de repeti-las, particularmente quando existem culminantes tensões pós-eleitorais”, acrescentaram.

Veja também

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea