Economia

Confiança da construção avança a 91,5 pontos em setembro, revela FGV

O Índice de Confiança da Construção (ICST) ganhou tração pela quinta vez seguida em setembro, ao subir aos 91,5 pontos, de 87,8 em agosto, na série com ajuste sazonal. Os dados foram publicados nesta sexta-feira, 25, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). A média do indicador no terceiro trimestre ficou em 87,7 – 17,7 pontos acima dos 70,0 registrados nos três meses de abril a junho.

“A confiança do setor da construção retornou à zona de pessimismo moderado em que se encontrava antes da pandemia”, explica, em nota, a coordenadora de Projetos da Construção do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV), Ana Maria Castelo. O dado de setembro continua abaixo do registrado em fevereiro, último mês menos afetado pela pandemia de coronavírus (92,8).

O aumento da confiança de setembro foi puxado pela melhora da percepção de empresários do setor sobre a situação corrente. O Índice de Situação Atual (ISA) cresceu 4,6 pontos, para 86,4, apenas 0,3 ponto abaixo do registrado em fevereiro (86,7). Nas aberturas, o indicador de carteira de contratos subiu 4,7 pontos, para 84,5, e o de situação atual dos negócios cresceu 4,4 pontos, para 88,4.

O Índice de Expectativas (IE) subiu 2,7 pontos, para 96,8, ainda 2,2 pontos abaixo de fevereiro (99,0). Houve aumento de 2,8 pontos no componente de demanda prevista e de 2,7 pontos no indicador de tendência dos negócios. Ambos atingiram o nível de 96,8 pontos.

“A percepção dominante é de recuperação da atividade e de crescimento dos negócios, com reflexos na melhora das expectativas. No entanto, vale a ressalva que ainda não é um movimento disseminado por todos segmentos – a área de serviços foi mais penalizada e registra mais dificuldade em recuperar, assim como o mercado de edificações comerciais”, comenta Ana Maria Castelo. Na outra ponta, diz, o segmento de edificações residencial avança mais rapidamente.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) recuou 1,4 ponto porcentual em setembro, para 72,1%. A maior contribuição negativa para o resultado partiu da queda de 1,6 ponto porcentual do Nuci de Mão de Obra. O Nuci de Máquinas e Equipamentos recuou 1,0 ponto porcentual, para 63,5%.

De acordo com a FGV, a sondagem ainda mostrou sinalização de que as contratações do setor devem superar as demissões nos próximos meses. “O movimento deve prosseguir, considerando as expectativas dos empresários de tendência de melhora dos negócios nos próximos meses”, diz a nota da instituição.

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ App permite testar melhor design de sobrancelhas para você

+ Microsoft Edge recebe nova funcionalidade para aumentar velocidade de carregamento

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar