Economia

Condições econômicas da Alemanha são favoráveis apesar do Brexit, diz Schäuble

Os fundamentos econômicos da Alemanha estão sólidos, graças a forte demanda doméstica e apesar das possíveis consequências negativas da recente decisão do Reino Unido de votar por sua saída da União Europeia, afirmou hoje o ministro de Finanças alemão, Wolfgang Schäuble.

“As condições econômicas continuam favoráveis. O plebiscito britânico não mudou isso de forma notável”, disse Schäuble, referindo-se à votação do último dia 23 que garantiu a vitória do chamado “Brexit”. Segundo o ministro, essa é também a avaliação do Bundesbank, como é conhecido o banco central alemão.

Schäuble explicou que a principal força motriz da Alemanha é a demanda doméstica, principalmente o consumo privado, “o que é prova de que a retomada da confiança na sustentabilidade das finanças públicas está estimulando o crescimento mais do que vem sendo dito em entrevistas ou algumas declarações”.

Em várias ocasiões, Schäuble se mostrou contrário à adoção de um programa doméstico de estímulo econômico para impulsionar a demanda por bens de países em dificuldades da zona do euro.

Mais cedo, o gabinete alemão aprovou o plano de gastos para 2017 e metas para os próximos quatro anos, com a promessa de manter um orçamento equilibrado, apesar da questão da imigração ter elevado os custos do governo.

Os planos orçamentários têm como premissa que a economia da Alemanha crescerá 1,5% no próximo ano. Para este ano, a previsão é de expansão de 1,7%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior