Competir ou morrer

O momento é crítico. Entraves comprometem nossa competitividade, limitando investimentos e levando ao fechamento de fábricas, como as da Eli Lilly, Roche e Ford. Só com a fábrica da Ford, 2.800 empregos serão perdidos.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Por que isto está acontecendo? Alta carga tributária, excesso de encargos trabalhistas, alto custo logístico, ampla flutuação cambial e juros elevados. A indústria é um grande empregador, o setor mais produtivo e com os mais altos salários, mas também é um dos mais tributados. Isto nos condena a produzir e exportar produtos de baixo valor agregado. Dos dez principais produtos que exportamos no primeiro trimestre, nove são commodities. A consequência? Menos empregos e salários mais baixos.

Pela alta carga tributária, não atraímos investimentos para exportação de veículos, como o faz o México. Lá, além da produção para mercado interno, há uma produção ainda maior para o externo. Em 2018, o México exportou 88% da produção, o Brasil 22%.

Aqui, faltam programas para estimular exportações, impedindo o aproveitamento da grande capacidade ociosa e geração de empregos. Exportar é uma necessidade para a indústria receber investimentos externos e sobreviver. Por causa da grande flutuação cambial e sem grandes receitas de exportação, as multinacionais não têm previsibilidade de ganhos, deixando de investir. Preferem levar os recursos e os empregos para países onde as condições são mais favoráveis.

Após a entrada em vigor do acordo de livre comércio de automóveis e autopeças entre o Brasil e o México, a questão ficou ainda mais importante. Abertura de mercado é bem-vinda. Traz o potencial de aumentar nossa competitividade e integrar mais o Brasil na cadeia global de produção, mas para isso, necessitamos de equidade nas condições. Caso contrário, a indústria nacional será aniquilada e a produção e os empregos migrarão para o México.

Hoje, o custo de produzir um veículo no Brasil é 18% maior do que no México. Quando se acrescentam os impostos, caso o veículo seja vendido no mercado interno, os custos totais no Brasil são 40% maiores. Caso seja exportado, o carro pagará 15% em impostos.

No México, esse índice é de 2%.

Uma reforma tributária ampla é fundamental para novos investimentos e mais empregos. Enquanto não acontece, uma solução transitória seria aumentar o Reintegra, criado para compensar os impostos pagos na exportação, dos atuais 0,1% para 9%. Ou o Brasil acaba com seus problemas de competitividade ou os problemas de competitividade acabam com o Brasil.

O custo de um carro para o mercado interno é 40% maior que o de seu equivalente mexicano. Se exportado, os impostos somariam 15%. No México, o índice é de meros 2%

Veja também

+Cidadania divulga calendário de pagamentos da extensão do auxílio emergencial

+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

Tópicos

Ricardo Amorim

Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.