Mundo

Comissão Europeia autoriza compra ‘incerta’ da Tiffany pela LVMH

BRUXELAS, 27 OUT (ANSA) – A Comissão Europeia aprovou nesta terça-feira (27) a compra da joalheria norte-americana Tiffany pelo grupo francês LVMH, dono da Louis Vuitton. Com isso, a negociação foi liberada e obteve todas as 10 autorizações necessárias para ações do tipo.   

A entidade europeia decidiu que a concentração de mercado proposta não traria problemas de concorrência, dada as cotas de mercado serem moderadas, ter a presença significativa de fornecedores terceiros e a recente entrada no mercado de diversos concorrentes.   

No entanto, a compra ainda é incerta. Isso porque, após o anúncio de novembro do ano passado da negociação por US$ 16,2 bilhões, o caso acabou indo parar na justiça.   

A LVMH anunciou que não daria andamento à compra por conta da má gestão norte-americana durante a pandemia do coronavírus Sars-CoV-2 e após um alerta do governo francês de que Washington poderia taxar produtos franceses. Então, entrou com um processo de desistência.   

Por sua vez, a Tiffany disse que o grupo estava rompendo seus compromissos e abriu um processo nos Estados Unidos, que começará a ser julgado em janeiro de 2021.   

A Tiffany é uma das marcas mais famosas do mundo, tendo sido fundada em 1837, e conta com mais de 300 lojas espalhadas pelo mundo. Já o grupo LVHM é dono de mais de 70 marcas de luxo entre roupas, acessórios e bebidas. (ANSA).   

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel