Mundo

Comissão da ONU acusa Maduro de crimes contra a humanidade

Comissão da ONU acusa Maduro de crimes contra a humanidade

O presidente Nicolás Maduro e os ministros mais importantes de seu governo estão vinculados a possíveis "crimes contra a humanidade", afirma uma missão da ONU - AFP/Arquivos

GENEBRA, 16 SET (ANSA) – Uma comissão de investigadores nomeada pelas Nações Unidas (ONU) divulgou nesta quarta-feira (16) um relatório que implica o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e membros de seu governo em possíveis crimes conta a humanidade.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

O documento feito pelos especialistas da ONU cita supostas execuções extrajudiciais e uso sistemático de tortura por parte do regime chavista.

A missão foi estabelecida pelo Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas no ano passado e encontrou “motivos razoáveis para acreditar que autoridades venezuelanas e forças de segurança planejaram e executaram sérias violações desde 2014”.

“Longe de serem atos isolados, esses crimes foram coordenados e cometidos de acordo com políticas estatais, com o conhecimento ou apoio direto de comandantes e funcionários de alto escalão do governo”, diz a chefe da missão da ONU, Marta Valinas.

O relatório de 411 páginas ainda cita “motivos razoáveis para acreditar que tanto o presidente [Nicolás Maduro] quanto os ministros do Interior, Justiça e Paz [Néstor Reverol] e da Defesa [Vladimir Padrino López] ordenaram ou contribuíram para o cometimento dos crimes documentados”.

Os investigadores da ONU pedem que as autoridades venezuelanas iniciem inquéritos “independentes, imparciais e transparentes” sobre as violações e garantam “reparação total” para as vítimas.

Além disso, afirmam que outras jurisdições, como o Tribunal Penal Internacional, devem considerar “ações legais” contra os responsáveis pelos crimes identificados pela missão.

A comissão de três investigadores não conseguiu visitar a Venezuela e baseou suas conclusões em 274 entrevistas feitas remotamente com vítimas, testemunhas e ex-oficiais do Estado, além de documentos confidenciais e processos judiciais.

A missão da ONU analisou mais de 2,5 mil incidentes ocorridos desde 2014 e que levaram a mais de 5 mil mortes causadas pelas forças de segurança. “As mortes parecem ser parte de uma política para eliminar membros indesejados da sociedade com a desculpa de combater o crime”, diz Valinas.

As torturas supostamente usadas por chavistas incluem estupros, asfixias, espancamentos, choques elétricos e ameaças de morte para obter confissões forçadas.

Maduro é acusado pela oposição e por parte da comunidade internacional, incluindo Estados Unidos, União Europeia e Brasil, de usar a violência contra dissidentes e de ser o principal responsável pela crise política, econômica e social na Venezuela. (ANSA).

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Último superjumbo Airbus A380 é montado na França

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea