Mundo

Comey admite ‘negligência real’ em solicitação do FBI para monitorar ex-consultor de Trump

Comey admite ‘negligência real’ em solicitação do FBI para monitorar ex-consultor de Trump

James Comey, ex-diretor do FBI - GETTY/AFP/Arquivos

O ex-diretor do FBI James Comey reconheceu neste domingo uma “negligência real” na forma como a agência acatou uma ordem para monitorar um conselheiro de campanha do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com laços com a Rússia.

Este assessor, Carter Page, esteve no centro de uma investigação de segurança nacional que o FBI abriu sobre a interferência russa na campanha presidencial de 2016.

Mas Comey, que defendeu repetidamente o FBI contra os ataques de Trump, admitiu numa entrevista ao “Fox News Sunday” que Page havia sido tratado injustamente e que a ordem do FBI de monitorá-lo, que ele próprio assinou, continha “erros significativos”.

“Houve negligência real, 17 coisas que deveriam estar presentes nas solicitações ou pelo menos deveriam ter sido discutidas e classificadas de forma diferente. Não era aceitável”, disse Comey, demitido por Trump em 2017.

O inspetor geral do FBI Michael Horowitz detalhou os erros em um relatório muito crítico na semana passada.

“O inspetor-geral não encontrou má conduta da equipe do FBI, não encontrou preconceitos políticos, não encontrou comportamento ilegal”, disse Comey.

Mas ele “encontrou erros significativos, e isso não é algo para desprezar; é realmente importante”, acrescentou.

Horowitz se concentrou em imprecisões e omissões na solicitação do FBI ao tribunal especial da Lei de Vigilância de Inteligência Estrangeira (FISA), que lida com solicitações de vigilância.

Entre suas críticas estava a confiança do FBI em um relatório não verificado, preparado por um ex-agente de inteligência britânico, Christopher Steele, que chamou a atenção para os esforços russos de se infiltrar na campanha de Trump.

Horowitz descobriu que o tribunal não havia sido informado de que esse documento havia sido pago pelos democratas e, no entanto, desempenhou um papel central no estabelecimento de uma provável causa para a obtenção da ordem.

Neste domingo, Comey reconheceu que, ao renovar a ordem da FISA três vezes, o FBI deveria ter informado ao tribunal que havia questões importantes sobre a veracidade desse documento.

“Mas isso não leva à conclusão de que os relatórios de Steele são uma mentira”, acrescentou.

Quanto a Page, o ex-diretor da FIB disse que “ele foi tratado injustamente”. “Ele é cidadão dos Estados Unidos, e seu nome nunca deveria ter sido divulgado, isso é um ultraje”.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Mulher sobe de salto alto montanha de 4 mil metros

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago