Mundo

Começa a disputa pelo cargo de primeiro-ministro do Japão

Começa a disputa pelo cargo de primeiro-ministro do Japão

Avenida de Tóquio em 16 de setembro de 2021 - AFP/Arquivos


A campanha para a definição do novo primeiro-ministro do Japão começou nesta sexta-feira (17) com quatro candidatos que aspiram a liderança do partido que governa o país, em uma disputa acirrada.

Entre os aspirantes há duas mulheres que sonham em governar o Japão, que nunca teve uma primeira-ministra, mas analistas consideram que elas têm poucas chances de vitória.

O processo começou depois que o atual primeiro-ministro, Yoshihide Suga, anunciou no início do mês que não disputaria a liderança do governante Partido Liberal Democrático (PLD).

Qualquer nome que o partido escolher como líder em 29 de setembro tem praticamente assegurado o posto de primeiro-ministro, após uma votação no início de outubro no Parlamento, onde o PLD tem maioria.

O novo líder do partido também deverá disputar a eleição geral, que pode acontecer no fim de novembro, para continuar como chefe de Governo da terceira maior economia do planeta, que enfrenta desafios que vão da relação com a China até a mudança climática.

O ministro responsável pela campanha de vacinação, Taro Kono, líder nas pesquisas de intenção de voto, mas a vitória não é garantida por que as principais alas do PLD não apoiam uma candidatura específica.

Kono, 58 anos, é o candidato mais jovem e popular, com dois milhões de seguidores no Twitter. Ele é considerado um político moderno e um bom comunicador.

Seu principal rival é o ex-ministro das Relações Exteriores Fumio Kishida, que lidera uma das principais alas do PLD.

Duas candidatas almejam virar a primeira mulher a governar o Japão, mas têm pouco apoio nas pesquisas.

Uma delas é a direitista Sanae Takaichi, admiradora de Margaret Tatcher e com um perfil que divide os eleitores que, no entanto, recebeu apoio do ex-primeiro-ministro Shinzo Abe.

A outra candidata é a ex-ministra de Igualdade de Gênero Seiko Noda, uma candidata abertamente feminista.

A dificuldade em projetar o favorito está no fato de que as alas do partido, que geralmente votam em bloco, liberaram os integrantes para que decidam o voto por conta própria.

Tobias Harris, analista para a Ásia do ‘Center for American Progress’, considera que o apoio popular a Kono provavelmente representa uma certa vantagem, mas ele explica que é uma “vantagem muito vulnerável”.



A disputa foi aberta depois que Suga, que perdeu popularidade em parte pela resposta do governo à pandemia, anunciou a renúncia depois de ficar apenas um ano no posto de chefe de Governo.

Suga assumiu o cargo de primeiro-ministro em setembro de 2020, depois que Shinzo Abe, o primeiro-ministro mais longevo do Japão, renunciou por motivos de saúde.

O período de Suga foi marcado pelas ondas de contágios da covid-19 e as repetidas séries de restrições. Os Jogos Olímpicos de Tóquio não ajudaram a aumentar sua popularidade.

A brevidade de seu mandato levou muitos a questionar se o Japão retornará ao período de alta rotatividade de governantes que ocorreu antes de 2012, com o início do segundo mandato de Abe.

Desde a Segunda Guerra Mundial, apenas cinco políticos permaneceram cinco anos ou mais no cargo de primeiro-ministro do Japão.

Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio