Esportes

Com uns parafusos a mais, Petrúcio tenta superar seu próprio recorde nos 100m

Petrúcio Ferreira disputará nesta terça-feira nos Jogos Parapan-americanos de Lima, no Peru, a prova em que é especialista, os 100 metros livre do atletismo. O brasileiro tem o recorde parapan-americano e mundial da modalidade na classe T47 (amputados membros superiores). O primeiro, conquistado em Toronto-2015, ao correr em 10s77, e a principal marca da carreira, alcançada no Mundial de Paris-2018 (10s50).

A tentativa de se superar virá com o atleta recém-recuperado de um grave acidente sofrido no dia 2 de janeiro. Petrúcio foi pular de um rio em sua cidade, São José do Brejo Cruz, no interior da Paraíba, enfiou o queixo em uma pedra e estraçalhou o maxilar. Para a reconstrução do rosto, passou por duas cirurgias que lhe renderam oito placas e 35 parafusos. “Tudo em titânio. Ainda consigo passar na porta giratória do banco sem apitar”, brincou em entrevista ao Estado.

A lesão não foi brincadeira, lhe rendeu algumas cicatrizes em volta da boca e fez Petrúcio repensar a maneira como levava a vida. “Até então achava que podia ser uma pessoa normal, chegar no interior da Paraíba, tomar banho de rio… mas não sou. Quebrei meu rosto no mergulho. Cheguei a pensar depois das cirurgias que não voltaria a tempo para o Parapan. Mas voltei a treinar três meses depois e consegui o índice, fiquei muito feliz e agora estou aqui”, disse.

+ “Filho é um inferno e atrapalha”, diz Fábio Porchat sobre não querer ser pai

Petrúcio estreou no Parapan de Lima no domingo e conquistou o ouro nos 400 metros, uma prova que é nova para ele. O atleta passou a treinar esse percurso mais longo somente depois de se recuperar do acidente. “Cheguei de penetra nos 400 metros e deu certo, mas sem descartar minha especialidade, que é os 100 metros”.

As dificuldades para o atleta em 2019 não pararam por aí. Logo após retomar os treinos em São Paulo, ele levou outro baque com a morte do primo que vivia em sua cidade, no interior da Paraíba, vítima de leucemia. “Era como se fosse um irmão, sabe. Me abalou muito. A medalha nos 400 metros dediquei a ele e a meu sobrinho que nasceu. Isso é muito especial para mim. Vida de atleta nem sempre é alegria. Ele era como um irmão, crescemos juntos. Para chegar aqui não foi fácil”, comentou.

Nesta terça-feira, Petrúcio disputará a semifinal dos 100 metros e do revezamento 4×100 metros livre. A final das duas competições acontecerá nesta quarta.

+ Polícia aborda ambulância com sirene ligada e descobre 1,5 tonelada de maconha

Veja também

+ A incrível história do judeu que trabalhou para os nazistas na Grécia

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Novo Código de Trânsito é aprovado; veja o que mudou

+Jovem é atropelado 2 vezes ao tentar separar briga de casal em Londrina; veja o vídeo

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea