Edição nº2555 07/12 Ver edições anteriores

Com Snapdragon 8cx, Qualcomm continua batalha morro acima contra Intel

Snapdragon 8cx é o novo chip para notebooks da Qualcomm (Crédito:André Cardozo)

De Maui, Havaí (EUA) *

No terceiro dia do Snapdragon Summit, a Qualcomm anunciou seu novo chip para notebooks, o Snapdragon 8cx. Ele é o mais poderoso chip já criado pela empresa (especificações completas aqui) e representa a continuação da estratégia da Qualcomm de tentar abocanhar um pedaço do mercado de chips para notebooks.

Na parte gráfica, o chip conta com a GPU Adreno 680, o mais poderoso módulo gráfico já criado pela empresa. Segundo a Qualcomm, o desempenho gŕáfico do novo chip é mais de 3 vezes maior do que o do Snapdragon 850, lançado em junho deste ano. A empresa diz que o 8cx não substituirá o 850, mas será um chip premium, para notebooks mais sofisticados e caros.

Disputa com Intel

A Qualcomm, que lidera o mercado de chips para smartphones, começou a entrar no mercado de chips para notebooks no ano passado com o Snapdragon 835. Este mercado é liderado com folga há décadas pela Intel, que tem seus chips tanto em PCs com Windows como em computadores da Apple.

Para tentar crescer neste mercado, a Qualcomm afirma que, com o Snapdragon 8cx, criou um chip de alto desempenho e baixíssimo consumo de energia. Segundo a empresa, a duração de bateria dos notebooks com o 8cx é medida em dias, e não horas. A empresa enfatiza ainda que, devido ao baixo consumo de energia do 8cx, os notebooks são “fanless”, ou seja, não precisam de sistemas de ventilação.

835, 850 e 8cx: a linha de chips da Qualcomm para notebooks (Crédito:André Cardozo)

Ao projetar chips para notebooks, empresas como Intel e Qualcomm sempre têm que balancear dois aspectos: o desempenho do chip e o consumo de energia. Afinal, de nada adianta ter um notebook ultrarrápido com uma bateria que acaba em poucas horas.

Como de hábito, será necessário esperar que os primeiros notebooks com o Snapdragon 8cx cheguem ao mercado para ver se as promessas da empresa se realizarão no mundo real. Os primeiros notebooks com o novo chip serão lançados no segundo semestre do ano que vem nos Estados Unidos.

Conectados o tempo inteiro

Qualcomm aposta em notebooks leves, sempre conectados e com baterias de longa duração (Crédito:André Cardozo)

Outro diferencial da Qualcomm para entrar no mercado de notebooks é o que ela chama de Always Connected PCs. Os notebooks com chips Snapdragon são projetados para estarem online o tempo inteiro, como um smartphone. Para isso, todos eles contam com um módulo para se conectar a redes 4G e 4,5G. Assim, o usuaŕio tem conexão à internet de alta velocidade mesmo fora de redes Wi-Fi.

Nos EUA e em outros países, os notebooks conectados com chips Qualcomm 850 já são vendidos há alguns meses. Mas até o momento nenhum deles chegou ao Brasil. Uma das razões é que, por conta de sua conectividade 4G, estes notebooks costumam ser vendidos em conjunto com operadoras de telefonia, já que é necessário um plano de dados para aproveitar o 4G do notebook. Acordos com operadoras costumam deixar o processo de vendas mais lento do que uma simples venda diretamente em lojas e sites de comércio eletrônico.

5G terá que esperar

Causou certa decepção o anúncio de que os futuros notebooks com o chip Snapdragon 8cx não terão inicialmente suporte para redes 5G. Esses notebooks terão o modem Qualcomm X24, compatível com redes 4G e 4,5G. O modem X50, compatível com redes 5G, por enquanto estará restrito aos primeiros smartphones 5G esperados para o próximo ano. Sem dar detalhes, a Qualcomm disse apenas que a tecnologia 5G chegará sim aos notebooks da empresa em breve, mas não deu detalhes sobre quando isso ocorrerá.

*O jornalista viajou a convite da Qualcomm


Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.