Esportes

Com público reduzido, Roland Garros tem Nadal sob ameaça de Thiem e Djokovic

A presença de torcedores nas arquibancadas não é polêmica apenas no Brasileirão. Na França, Roland Garros terá início neste domingo com público ainda mais reduzido que o esperado, após discussões e até um puxão de orelha público do primeiro-ministro. Em quadra, os 1.000 torcedores que poderão acessar o complexo por dia vão ver Rafael Nadal tentar confirmar seu favoritismo, em busca do 13º título, diante da ameaça de Dominic Thiem, o mais novo campeão de Grand Slam do circuito, e Novak Djokovic.

Acostumado a ser o segundo Slam da temporada, disputado geralmente entre o fim de maio e o início de junho, Roland Garros começará num incomum fim de setembro devido à pandemia. A própria mudança na data já gerou polêmica por ter sido imposta pela organização, sem consulta aos demais grandes torneios. A competição parisiense, portanto, será o terceiro último Grand Slam do ano – Wimbledon foi cancelado.

Os planos iniciais da organização eram contar com até 20 mil torcedores in loco diariamente. Geralmente, o torneio recebe pouco mais de 30 mil por dia. Mas as previsões foram caindo aos poucos, para 11.500 e, depois, para apenas 5 mil. Nos últimos dias, diante do aumento de casos de covid-19 na França, o primeiro-ministro Jean Castex restringiu para 1.000 o público permitido em grandes eventos.

O apelo da organização não deu resultado. “Temos uma área equivalente a 15 campos de futebol e tudo ao ar livre. É mais arriscado ir a um supermercado, a um teatro ou ao metrô que vir a Roland Garros com máscara. Colocar 5 mil pessoas num espaço aberto tão grande é totalmente seguro”, argumentou Guy Forget, diretor do torneio, sem sucesso.

Os poucos torcedores que poderão frequentar o complexo do Grand Slam poderão conhecer a nova quadra central. A reformada Philippe Chatrier, onde Gustavo Kuerten levantou três troféus, agora tem teto retrátil. Roland Garros se tornou, assim, o último dos quatro Slams a contar com tal recurso.

FAVORITISMO – O teto, que costuma afetar a dinâmica dos jogos, não deve ser o único obstáculo a ser enfrentado por Rafael Nadal. O espanhol reclamou da nova bola do torneio, considerada por ele mais pesada e lenta, características que atrapalham seu estilo de jogo. “A bola é muito mais lenta do que anos anteriores. Se acrescentarmos essas condições de frio e umidade, então ela fica superpesada, não?”, comentou.

O número dois do mundo admite que terá mais dificuldade do que nos anos anteriores no saibro de Paris. “As condições aqui são provavelmente as mais difíceis que já tive em Roland Garros por vários motivos”, declarou o dono de 12 títulos no Grand Slam francês, que chegou a completar seis meses sem competir, devido à pandemia e também porque evitou se arriscar no US Open.

Na busca pelo 13º troféu, Nadal vai encarar sua própria falta de ritmo e um motivado Dominic Thiem, agora com status de campeão de Slam. O austríaco foi o campeão do US Open, neste mês, após três vices em torneios deste nível. Ele perdeu as duas últimas finais em Paris justamente para o espanhol. E agora virá com confiança renovada. Desta vez, eles poderão se enfrentar na semifinal.

Se for campeão, Nadal vai alcançar o recorde de títulos de Slam, que pertence a Roger Federer, dono de 20 troféus. O suíço não competirá em Paris. Após passar por cirurgias neste ano, ele decidiu voltar ao circuito somente em 2021.

Tentando recuperar o moral após a desclassificação em Nova York, Djokovic também se apresenta como forte candidato ao título. Depois da decepção no US Open, o líder do ranking venceu o Masters 1000 de Roma, no saibro, e mostrou que tem condições de desbancar novamente Nadal, como fez em 2015, em uma das duas únicas derrotas do espanhol em Roland Garros. O sérvio acabou faturando o título no ano seguinte. O alemão Alexander Zverev e o grego Stefanos Tsitsipas correm por fora na briga pelo troféu deste ano.

Na chave feminina, o Grand Slam francês também terá baixas de peso, como aconteceu no US Open. A número 1 do mundo, a australiana Ashleigh Barty, segue fora e não poderá defender o título de 2019. Além disso, a japonesa Naomi Osaka desistiu por problemas físicos, após ser campeã em Nova York. Assim, despontam na briga a americana Serena Williams, a bielo-russa Victoria Azarenka, vice-campeã do US Open, e a romena Simona Halep.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ O processo de formação como obra

+ Arte e algoritmo: Uma genealogia

+ Radicalmente vivo