Nem Millennials, nem Geração Z: quem anda chamando a atenção e ganhando popularidade nas redes sociais são os produtores de conteúdo da terceira idade, os chamados “influencers 60+”. Além de se divertirem e compartilharem conhecimento e experiências, a tendência tem atraído a atenção de marcas que buscam engajamento com essa importante parcela da população, que cresce a cada dia e tem bom poder aquisitivo.

A profissão de influenciador digital (ou influencer) virou uma realidade — e uma oportunidade profissional no Brasil.

Segundo uma pesquisa da consultoria Nielsen realizada em 2022, o País é o segundo do mundo com mais pessoas se assumindo como “influenciadoras”, ficando atrás apenas dos EUA.

Apenas no Instagram, há hoje 10,5 milhões de influencers de todas as idades no Brasil – oito vezes o número de advogados e quase 20 vezes o número de médicos.

Os novos criadores de conteúdo conquistam seguidores com análises de séries e filmes, relatos do cotidiano e bom humor. Muito além de tricotar ou cuidar dos netos, os idosos estão cada vez digitais.

“Como a idade média de vida da população cresce e aumenta a cada ano, mais consumidores seniores tornam-se ativos. Para as marcas, o público 60+ é um mercado consumidor muito forte”, afirma Fátima Pissarra, CEO da agência Mynd.

Consultora de moda, empresária brasileira e influencer, Consuelo Blocker fala com naturalidade sobre envelhecer. Ao refletir sobre sua relação com a família e com próprio corpo, virou inspiração para os seguidores. Consuelo faz posts a partir de sua mansão em Florença, na Itália, ou em outro lugar do mundo, por onde viaja compartilhando experiências sobre moda, viagens, arte e muito mais.

399 mil inscritos no YouTube, Dimas Moura: canal criado em 2017 lhe rendeu um contrato com o Google (Crédito:Andre Lessa / ISTOÉ)
399 mil inscritos no YouTube, Dimas Moura: canal criado em 2017 lhe rendeu um contrato com o Google (Crédito:Andre Lessa / ISTOÉ)

Filha da empresária e também influenciadora Costanza Pascolato, Consuelo iniciou a carreira com o blog Consueloblog.com, em 2010: “Sou uma ‘dinossauro’ dessa turma. Na época não havia quase ninguém da minha idade na internet, por duas razões: ninguém achava que era um trabalho para mulher da minha idade e poucos tinham familiaridade com a tecnologia”.

Pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelou um aumento do número de brasileiros acima dos 60 anos utilizando a internet. O crescimento foi de 68%, em 2018, para 97%, em 2021.

Baseado nesses números é possível dizer que quase todos os os 37,7 milhões de idosos do Brasil estão conectados.

“É um mercado em alta ascensão. Fica mais promissor a cada ano e ainda vai crescer muito, com certeza.”
Fátima Pissarra, CEO da agência Mynd

Os chamados ‘novos’ idosos, ou seja, aqueles que nasceram a partir da década de 1950, já estão mais familiarizados com a internet e suas dinâmicas. Muitos viram a tecnologia se tornar acessível, então tiveram a oportunidade de acompanhar a evolução tecnológica e se adaptar às mudanças, mesmo com a chegada dos smarthphones, cada vez mais complexos.

Dimas Moura, hoje com 65 anos, é um exemplo dessa geração. Depois de 40 anos trabalhando com tecnologia em grandes empresas nacionais e multinacionais, decidiu se tornar influenciador digital para dar dicas sobre qualidade de vida e finanças.

Em 2017 criou o canal do YouTube Sou Mais 50, que hoje possui 399 mil seguidores. A iniciativa lhe rendeu um contrato com o Google.

“As empresas começaram a perceber o potencial desse público, mas ainda de forma tímida”, diz Moura. “Mas elas ainda não vislumbraram tudo que pode ser criado em termos de produtos e serviços para essa geração, pois é um grupo que pode alavancar muitos negócios.”

Vera Lopes Viggiano, 768 mil seguidores no Instagram: jeito com as palavras e alegria de viver (Crédito:Divulgação)

Público fiel

Os temas trazidos por essa nova categoria de criadores de conteúdo são diversos e mostram o estilo de vida de cada um com uma ótica única.

Muitos deles possuem um público fiel que segue suas publicações, que levantam questões importantes como a acessibilidade, mobilidade, aceitação e finanças.

O perfil @velhacomprazer surgiu durante a pandemia. Criado pela psicopedagoga e professora de Português Vera Lopes Viggiano, de 76 anos, a página mostra que envelhecer com saúde e mente sã é possível.

“Amo brincar com as palavras. Sou uma pessoa ativa e sonhadora, que leva a vida com leveza. Acho que não estamos aqui para ter medo da idade, mas para vivenciá-la com sabedoria. Saber olhar no espelho e sentir que ali tem rugas, tem marcas de expressões que mostram que ali morava um sorriso e alegria de viver. Amo a vida”, ensina a mãe de três filhos e avó de cinco netos – todos fãs da influenciadora mais famosa da casa.