Com prejuízo bilionário, SnapChat luta para competir com Facebook

Em 2013, o Facebook tentou comprar o SnapChat, então apenas um promissor aplicativo de mensagens por US$ 3 bilhões. Na época, o criador do SnapChat Evan Spiegel surpreendeu o mercado ao negar a oferta e seguir com sua companhia de modo independente. Em março deste ano, quando a Snap (empresa responsável pelo SnapChat) fez sua oferta pública na Nasdaq e foi avaliada em US$ 28 bilhões, o plano de Spiegel parecia ter dado certo.

Entretanto, o primeiro balanço financeiro da empresa após a oferta na bolsa pinta um quadro bem diferente. Em seu primeiro trimestre como empresa listada na Nasdaq, a Snap teve prejuízo de US$ 2,2 bilhões, um valor muito maior do que os US$ 104 milhões do mesmo trimestre do ano passado, como observou o The New York Times.

Operar no vermelho é algo extremamente comum em empresas do Vale do Silício, e mesmo nomes mais conhecidos, como Twitter ou Amazon, têm histórico de prejuízos. Também é relativamente comum que as ações de startups caiam logo após a divulgação do primeiro balanço, quando muitas vezes os números não alcançam as expectativas do mercado. Mas, no caso da Snap, o valor do prejuízo e a perspectiva de uma concorrência cada vez mais acirrada com o Facebook assustaram os investidores, e as ações caíram mais de 25% poucas horas após a divulgação do balanço.

Jogo de gato e rato

O grande desafio da Snap agora é provar para o mercado que pode ser um canal eficiente de publicidade, principalmente junto ao público mais jovem, mesmo com a fortíssima concorrência do Facebook. A seu favor, a empresa tem uma base de usuários de 166 milhões de usuários e ainda em fase de crescimento. Melhor ainda, a maioria dos usuários é jovem e mais atraente para anunciantes.

+ Consulado chinês nos EUA é fechado e provoca nova crise
+ As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

Por outro lado, a Snap enfrenta a cada vez maior concorrência do Facebook. A empresa de Mark Zuckerberg vem sistematicamente copiando recursos do SnapChat e implementando as novidades não só ao Facebook, como também ao Instagram e ao WhatsApp. Foi o caso, por exemplo, do Instagram Stories.

A brusca queda das ações da Snap também teve repercussões para outras startups que ainda não dão lucro, como o Spotify. Em longa reportagem, o The New York Times relata que investidores começam a recomendar mais cautela com relação a “unicórnios”, como são conhecidas as startups que chegam rapidamente a um valor de mercado de mais de US$ 1 bilhão.

Veja também

+ Luísa Sonza abre jogo sobre comentários machistas que recebe na internet

+ Marcos sai em defesa de Marcelinho e questiona Casagrande: ‘Que democracia é essa?’

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Simaria posa com vestido sensual e arranca suspiros

+ Namorada de Marco Verratti exibe fotos sensuais

+ Lívia Andrade posa de fio dental

+ Google permite ver animais em 3D com realidade aumentada

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.