Economia

Com isolamento até fim de junho, queda do PIB será superior a 6%, diz Teles

O subsecretário de Política Macroeconômica do Ministério da Economia, Vladimir Kuhl Teles, afirmou que, se o isolamento social durar até o fim de junho, a queda do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano será superior a 6%. Segundo Teles, a cada duas semanas a mais de isolamento, o PIB cai 0,70 ponto porcentual, considerando a perda direta de R$ 20 bilhões a cada semana de distanciamento.

O cenário base, divulgado no Boletim MacroFiscal da Secretaria de Política Econômica (SPE), é de queda de 4,7% do PIB, considerando o impacto na trajetória de longo prazo da economia entre 5% e 6% e o fim do isolamento social em 31 de maio.

No limite, explicou Teles, a queda do PIB poderia chegar este ano a 6,2%, considerando o impacto de 10% na trajetória de longo prazo e final da retomada no segundo trimestre de 2021, mesmo com o fim da quarentena no término de maio.

O Secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, ainda destacou que a queda de 4,7% já seria a maior da série histórica, desde 1900. “Isso por si só já mostra a severidade do que estamos vivendo.”

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ App permite testar melhor design de sobrancelhas para você

+ Veja a curiosa lista das motos mais vendidas na Alemanha em setembro

+ Pluto TV ‘grátis’ chega ao Brasil para rivalizar com Netflix e Prime Video

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar