Esportes

Com Daniel Dias, Brasil chega a 15 medalhas no Mundial Paralímpico de natação

O Brasil conquistou mais duas medalhas neste sábado no Mundial Paralímpico de Natação e chegou ao número de 15 pódios na competição disputada em Londres. Daniel Dias, maior referência da natação paralímpica do País, foi o responsável por uma delas, na prova dos 50 metros costas.

Dias faturou o bronze na prova com o tempo de 36s11. A prata ficou para o ucraniano Yaroslav Semenenko (34s72), e o ouro, com o chinês Lichao Wang, que bateu em 32s59. “Esta era uma prova difícil de sair um bom tempo, se eu fizesse em 35 segundos seria incrível, desde a eliminatória, pela manhã, eu disse isso. Tentei arriscar uma estratégia para chegar nos 35 segundos, não deu, mas que bom que veio uma medalha”, comentou.

O nadador admitiu que o cansaço acabou pesando nos metros finais. “Tentei aumentar a frequência no início e tentar segurar, assim como eu fiz e deu certo nos 50m livre, eu cansei no final, mas não faltou vontade chegar bem”, declarou Daniel Dias, referindo-se à prova em que ganhou o ouro, na segunda-feira.

Nesta prova, de classe S5, os dois primeiros colocados trocaram recentemente de classe, trocando a S6 pela S5, ou seja passaram a competir numa disputa com rivais com mais limitações físicas. “Se você observar o start list desta prova, dos oito finalistas, só dois eram S5, o resto desceu da S6”, declarou o brasileiro.

Esta mudança foi possível graças às novas (e polêmicas) regras de classificação implementadas pelo Comitê Paralímpico Internacional em 2018. Estas alterações geraram reclamações e críticas de diversos países, principalmente o Brasil, que viu parte de seus atletas competindo com rivais que aparentemente poderiam ter alguma vantagem física.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

A outra medalha conquistada pelo Brasil neste sábado foi a prata no no inédito revezamento 4x100m livre 49 pontos (soma da classificação dos integrantes), com Wendell Belarmino, Maria Carolina Santiago, Lucilene Sousa e Carlos Farrenberg. Na prova, exclusiva para deficientes visuais, a Ucrânia foi a campeã, com recorde mundial, em 3min51s85, e o Brasil terminou em segundo lugar, com 3min53s17.

No total, o time brasileiro soma agora 15 medalhas, sendo cinco de ouro, cinco de prata e cinco de bronze. Ocupa, assim, a nona colocação geral no quadro de medalhas. Esta posição pode ser alterada neste domingo, no último dia de disputas do Mundial.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Rafa Kalimann mostra sua nova mansão no Rio de Janeiro: ‘é muito a minha cara!’
+ 6 fotos em que o design de interiores do banheiro foi um fracasso total. Confira!
+ Ex-jogadora de futebol, Madelene Wright, começa a vender fotos sensuais após ser demitida do time
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel