Mundo

Colômbia nega que esteja por trás de apagões na Venezuela

Colômbia nega que esteja por trás de apagões na Venezuela

(Março) Vista de bairro de Caracas durante apagão - AFP

O governo de Iván Duque negou nesta segunda-feira as acusações do presidente Nicolás Maduro, segundo quem a Colômbia estaria envolvida em ataques cibernéticos contra o sistema elétrico que causaram apagões maciços na Venezuela.

“Tais acusações não têm qualquer fundamento e pretendem confundir a opinião pública e encobrir a responsabilidade do regime ilegítimo liderado por Nicolas Maduro na crise multidimensional na Venezuela”, declarou o ministério das Relações Exteriores em um comunicado.

Maduro denunciou no sábado “ataques” contra o sistema elétrico executados a partir do Chile e da Colômbia com o apoio do governo dos Estados Unidos.

Embora o presidente venezuelano diga que o governo é vítima de “ciberterrorismo”, especialistas alertam que os apagões são o resultado da corrupção, falta de manutenção de infraestrutura e inépcia.

A Venezuela, que rompeu relações com a Colômbia, está imersa em uma grave crise econômica e política agravada nas últimas semanas por uma série de apagões.

Atingidos por uma inflação que este ano pode alcançar 10.000.000%, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), os venezuelanos também sofrem com a escassez de bens de consumo e com o colapso dos serviços públicos.

Duque considera Maduro um “ditador” e apoia os Estados Unidos na pressão diplomática internacional contra sua administração.

Veja também

+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior