Tecnologia & Meio ambiente

Cólera mata 14 pessoas no nordeste da Nigéria

Cólera mata 14 pessoas no nordeste da Nigéria

A Organização Mundial da Saúde recrutou cerca de 200 voluntários para realizar buscas de casa em casa na Nigéria, onde foram notificados 380 casos de suspeita de cólera.

A cólera matou 14 pessoas e outras 400 tiveram que ser hospitalizadas esta semana em Maiduguri, nordeste da Nigéria, anunciou o responsável de Saúde de Borno, estado que enfrenta a chegada de deslocados que fogem do grupo extremista Boko Haram.

“Até o dia de hoje, 5 de setembro, foram reportados 380 supostos casos de cólera com 14 mortes”, declarou Haruna Mshelia em comunicado.

A maioria dos casos e das mortes ocorreu nos campos de deslocados de Madinatu e Elmiskin em Maiduguri, enquanto as demais vítimas provinham dos arredores da capital do estado de Borno, detalhou.

O governo e as ONGs trabalham para frear a epidemia, que se estendeu para outros seis distritos do estado.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recrutou 200 voluntários para buscar casa por casa casos suspeitos “com o objetivo de assegurar que a transmissão seja interrompida em tempo recorde”. “Farão falta mais centros de tratamento porque (…) os casos aumentam”, considerou Haurna Mshelia.

O cólera é uma infecção intestinal aguda provada pela ingestão de água ou alimentos contaminados. É fácil de tratar principalmente pela hidratação, mas pode matar em poucas horas na falta de tratamento.

O número de deslocados que fogem da violência do grupo extremista Boko Haram aumentou em Maiduguri nos últimos meses.

Ao menos 35 pessoas morreram em setembro de 2017 durante uma epidemia de cólera em um campo de deslocados perto de Maiduguri.