Brasil

O colégio dos absurdos

Uma das mais tradicionais escolas do Rio de Janeiro, o Pedro II erra feio ao permitir a pregação da violência e ao contrariar o Estado Democrático de Direito em suas dependências

O colégio dos absurdos

RECLAMAÇÕES: Pais e alunos tem reclamado do vies ideológico presente em um dos colégios mais tradicionais do Rio

A menina de 8 anos deixou a sala de aula, na sexta feira 14, e se deparou com a frase estampada num cartaz pregado no saguão da escola que fazia uma ode à violência: “Morte ao Latifúndio: terra para quem nela trabalha”. Poucos metros à frente, ela, como outras crianças e adolescentes que estudam no Colégio Pedro II, em São Cristóvão, no Rio de Janeiro, foram confrontadas com faixas dependuradas nas grades e paredes do pátio com inequívoco viés antidemocrático. “Eleição, Não! Revolução, Sim!”. O pai de um aluno que tentou questionar as razões daquelas faixas em uma escola pública acabou violentamente barrado e não pode entrar no prédio. Tentaram inclusive impedi-lo de filmar o que aconteceu em uma dos mais tradicionais colégios de País, referência desde o período do império. As imagens, no entanto, ganharam destaque na internet na última semana.

Os cartazes que incitavam a violência e menosprezavam valores do Estado Democrático de Direito faziam parte de um evento que celebrava os 50 anos da Revolução Cultural Chinesa. A pouca idade das crianças, não entanto, não permite a eles entender o real significado daquelas pregações, nas dependências da escola. Não se trata de defender ou censurar o ideário de esquerda ou, eventualmente, a cartilha da velha direita brasileira. Mas de tentar incutir na cabeça de crianças e adolescentes princípios e valores altamente violentos e que contrariam as bases da democracia. Se na própria China o meio século da revolução foi praticamente ignorado, segundo relato do correspondente da agência internacional Associated Press, Christopher Bodeen, por que o maoísmo deveria ser celebrado no Brasil, e dentro de uma instituição pública de ensino?

O reitor do colégio, Oscar Halac, divulgou uma nota afirmando que apenas “cedeu o espaço” para a realização do VI Seminário Sobre Capitalismo Burocrático, e que “não havia alunos e nenhum outro servidor do Pedro II presentes” ao evento organizado pelo Grupo de Estudo Leninista-Marxista-Maoísta – Brasil, com apoio de vários outros grupos ligados a universidades. Trata-se de uma meia verdade. Embora fosse um evento fechado, as faixas e cartazes foram expostos durante o período letivo onde a circulação estudantil era livre. “Esse é o primeiro ano que a minha filha está matriculada na escola, mas eu e meu marido já estamos questionando se ela vai continuar. Não concordamos com esse tipo de eventos próximos dela”, diz. Daniele Domingos, 34, mãe de Gabriele, 15, chegou a procurar explicações da reitoria. “Quando ouvi a notícia de que haveria integrantes do Movimento Sem Terra (MST) na escola, busquei esclarecimento. Não pode misturar uma coisa com a outra”, afirma. O estudante Alfredo (nome fictício), de 12 anos, disse à ISTOÉ que “a filiação partidária é clara lá dentro. Muita gente do PSOL.” O garoto não aprova: “Acho isso errado. A escola deveria ser neutra em relação a esses assuntos.” A mãe dele, Gisele Mariano, 34, diz que “todo assunto pode ser trabalhado, mas é preciso que seja de maneira neutra.” Para o sociólogo Paulo Baía, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o colégio deveria se nortear pela imparcialidade política: “A orientação partidária é nefasta em uma escola. É preciso mostrar as várias faces do evento para os alunos, e não apenas uma.” O cientista político Claudio Couto, professor do Departamento de Gestão Pública Fundação Getúlio Vargas (FGV), de São Paulo, segue a mesma linha: “Processos revolucionários são importantes para a história. A questão é o sentido no qual se dá o debate. É efetivamente um debate ou é um instrumento?”. A resposta todos sabem.

Essa é a segunda vez, em pouco mais de um mês, que o Pedro II é envolvido em polêmica nacional: a anterior foi por ter liberado o uso de saias do uniforme feminino também para os meninos. Pai de uma aluna de 12 anos, o manobrista Afonso Marcelo, 50, ficou indignado. “Saia para homens? Pelo amor de Deus! Aí é demais”, declarou, na ocasião. “Está demais mesmo”, concorda Claudia Silva, 43, mãe de uma aluna do quinto ano.

“É preciso mostrar as várias faces de um evento, não apenas uma”, diz o sociólogo Paulo Baía

Desde os tempos do império

O Colégio Pedro II, no Rio, é a terceira instituição federal gratuita de ensino mais antigas do Brasil. Fundado em 1837, ainda no Império, oferece turmas desde Educação Infantil ao Ensino Médio, além de também alfabetizar adultos. Foi criado com o objetivo de formar quadros políticos e intelectuais para ocupar os mais altos postos da administração pública.

Devido a seu histórico de excelência, são disputadíssimas as vagas nas 14 unidades da região metropolitana do Rio, e os 13 mil matriculados são selecionados através de sorteio. Entre os ex-alunos célebres estão o sanitarista Oswaldo Cruz, o ex-presidente Nilo Peçanha, a atriz Fernanda Montenegro e a jornalista Fátima Bernardes.

Fotos: Raquel Cunha