Esportes

Clube formador cobra Bragantino por Cleiton, mas paulistas culpam Atlético-MG

A Associação de Esportes e Centro de Treinamento Bugre do Oeste, de Santa Catarina, apelou à Câmara Nacional de Resolução de Disputas da CBF cobrando R$ 750 mil do Red Bull Bragantino por ser um dos clubes formadores do goleiro Cleiton, ex-Atlético Mineiro.

O Bragantino investiu R$ 23 milhões para tirar o goleiro da equipe de Belo Horizonte. Segundo o artigo 29-A da Lei Pelé, através do mecanismo de solidariedade, o clube formador tem direito a receber 5% desse valor.

A assessoria de imprensa do Bragantino garante que, conforme o acordo firmado com o Atlético, o clube paulista pagaria o que foi combinado e a equipe mineira teria de repassar a quantia à agremiação formadora.

O Bragantino ainda ressaltou que se a Justiça acha que o clube paulista é quem deveria pagar o Bugre do Oeste, a diretoria irá descontar do valor a ser repassado ao Atlético, haja vista que o pagamento vem sendo feito em parcelas.

Cleiton, de 22 anos, se profissionalizou pelo Atlético em 2016, quando foi chamado para treinar com os profissionais. Virou titular em 2019, atuando em 39 partidas com a camisa alvinegra, antes de se transferir ao Bragantino.

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Idoso morre após dormir ao volante e capotar veículo em Douradoquara; neto ficou ferido
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel