Mundo

Clandestinos são câncer a ser erradicado, diz prefeito italiano

BOLONHA, 1 OUT (ANSA) – O prefeito de Ferrara, Alan Fabbri, gerou uma polêmica na Itália nesta quinta-feira (1º) ao classificar todas as pessoas que estão no país ilegalmente como um “câncer” que precisa ser erradicado.   

O comentário, publicado na conta oficial do Facebook do político do partido de extrema direita Liga Norte, diz respeito à notícia da rejeição de 134 permissões de estadia desde o início do ano e 12 revogações de pedidos de residência na cidade italiana, “quase todas por motivos ligados à periculosidade social e clandestinidade de quem pediu proteção internacional”. “Clandestinos, violentos, traficantes em série e desabrigados, que tornam a nossa cidade menos segura, não podem exigir nenhum direito, só têm que voltar de onde vieram”, escreveu Fabbri, acrescentando que pessoas assim são “um tumor para erradicar”.   

Na publicação, o prefeito ressaltou também que, para pedir proteção internacional, é preciso “merecer, trabalhando honestamente e tornando-se útil para a comunidade que te hospeda”. “Antes de qualquer direito, há deveres a respeitar”.   

+ “Filho é um inferno e atrapalha”, diz Fábio Porchat sobre não querer ser pai

Por fim, Fabbri parabenizou as autoridades locais “por estes resultados e por ter visivelmente intensificado os controles nas áreas mais frequentadas por essas pessoas”.   

Segundo os dados disponíveis no site da polícia de Ferrara, no entanto, em muitos casos, as autorizações de residência não foram renovadas, conforme exigido por lei, mesmo para aqueles que perderam o emprego e não estão conseguindo se sustentar, o que os torna automaticamente ilegais no território italiano.   

“Hoje o prefeito de Ferrara nos deu uma de suas pérolas: ele fez um post em que confunde o pedido de proteção internacional com o pedido de autorização de residência”, explicou o deputado Luca Rizzo Nervo, do Partido Democrático (PD).   

+ Polícia aborda ambulância com sirene ligada e descobre 1,5 tonelada de maconha

“Ele argumenta que, se você deseja proteção internacional, deve saber como merecê-la, tornando-se útil na sociedade que a concede. Trabalhando para pagar a concessão. Ou seja, uma troca.   

Se eu precisar de você, eu te protejo, se eu não precisar de você vá para casa”, acrescentou Nervo, concluindo que o populismo e o ódio confundem as coisas. (ANSA)

Veja também

+ A incrível história do judeu que trabalhou para os nazistas na Grécia
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela
+ Novo Código de Trânsito é aprovado; veja o que mudou
+Jovem é atropelado 2 vezes ao tentar separar briga de casal em Londrina; veja o vídeo
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel
+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês
+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Educar é mais importante do que colecionar
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea