Cultura

Cinema russo desmonta mito de Lênin 30 anos após fim da URSS

Cinema russo desmonta mito de Lênin 30 anos após fim da URSS

O diretor de cinema Vladimir Khotinenko conversa com a AFP sobre seu filme sobre Lênin, em 8 de outubro de 2019, em Moscou - AFP

Trinta anos após a queda da União Soviética, Lênin aparece desmitificado em um documentário divulgado pela televisão russa, onde é qualificado de sanguinário, doente mental e pequeno burguês.

A série “Lênin”, programada para ser exibida em breve pela primeira rede de televisão nacional Pervy Kanal, quer “acabar com o mito de Vladimir Ulianov”, o nome verdadeiro do fundador da URSS, segundo o roteirista, Igor Lipin.

Para realizar os 18 episódios da série, dez oficiais dirigidos pelo ex-chefe de arquivos da FSB (antiga KGB), o general Vasili Khristoforov, mergulharam durante quatro anos na documentação dos serviços secretos.

“A lenda do amável Lênin versus o mau Stalin é falsa, porque foi Lênin que lançou o terror vermelho”, diz Lipin à AFP, a poucos dias do 102º aniversário da Revolução bolchevique.

O documentário publica uma carta de agosto de 1918, na qual Lênin pede a morte de dois milhões de camponeses considerados ricos, os “kulaks”, grupo que foi violentamente reprimido. Um mês depois, criaria os campos de concentração para “isolar” as classes inimigas.

– Doente mental? –

Outros documentos estabelecem, segundo os autores da série, que Lênin sofria de transtornos mentais e que sua mãe havia escrito à polícia em abril de 1898, aludindo ao “preocupante estado psíquico” do jovem revolucionário e a uma “doença mental que afeta a família”.

Esta dureza do documentário contrasta com o culto à personalidade de Lênin imposto na URSS durante 70 anos, com canções, livros, filmes e slogans.

A tal ponto que uma piada soviética contava o lançamento de uma cama de três lugares, já que “Lênin está conosco”.

A propaganda comunista fabricou para Lênin a imagem de um asceta altruísta e humanista, em contraste com o tirano Stálin. Até hoje Lênin mantém uma certa popularidade entre a população russa: 41% dos russos continuam tendo uma imagem positiva deste líder comunista, segundo uma ampla pesquisa de 2017.

Pelo menos 80% dos russos se opõem ao desmonte de suas estátuas, ainda presentes em todo país. E seu mausoléu, com seu corpo embalsamado, continua na Praça Vermelha.

As novas autoridades russas em geral ignoram Lênin e preferem destacar o papel de Stálin na vitória sobre os nazistas.

De certa forma, “Lênin foi esquecido, passou sob a sombra de Stálin”, diz à AFP o diretor de cinema Vladimir Khotinenko, cujo filme “Lênin. A Iminência” estreou no fim de outubro na Rússia.

Longe de descrever uma vida de proletário, o filme mostra Vladimir Ilich Ulianov com um chapéu-coco, uma gravata-borboleta e uma bengala, ou desfrutando de Wagner na ópera.

Esta superprodução relata um controverso episódio do retorno de Lênin, então chefe de um pequeno partido revolucionário e exilado na Suíça, à Rússia em 1917.

– Dinheiro alemão –

Aquela viagem de trem pela Alemanha teria sido impossível sem o consentimento do Kaiser, afirma-se no filme.

Pouco depois, a Revolução de outubro derrubou o czar e, em março de 1918, o líder bolchevique assinou a paz com o Reich, abandonando os aliados dos russos.

O ator que interpreta Lênin, Evguéni Mironov, destaca a suspeita que recai sobre o dirigente revolucionário de ter financiado seu combate com dinheiro do inimigo alemão.

“Lênin nunca quis a Rússia, nem os russos, esses ‘muyiks’ (camponeses) preguiçosos. Para ele, a Rússia não era mais do que o início de seu projeto de revolução mundial”, afirma o ator em declarações nesta terça ao jornal “Izvestia”.

O porta-voz do Partido Comunista Russo (KPRF), Alexandre Yushenko, lamentou que se busque “desacreditar Lênin” quando as desigualdades econômicas e sociais impulsionam as pessoas a tomarem as ruas “na Rússia e no mundo todo”.

“Isso demonstra que as ideias de Lênin continuam vigentes nos povos que se elevam contra os donos do capital”, disse ele à AFP.