Cultura

A cigana que domou os nazistas

“Canções de Ninar de Auschwitz” narra a história da alemã Helene Hannemann, que salvou milhares de pessoas após ganhar a confiança de Josef Mengele

A cigana que domou os nazistas
ReSISTÊNCIA A enfermeira alemã foi autorizada por Mengele a criar e dirigir uma creche com atividades para as crianças presas no campo cigano de Auschwitz
RESISTÊNCIA A enfermeira alemã foi autorizada por Mengele a criar e dirigir uma creche com atividades para as crianças presas no campo cigano de Auschwitz (Crédito:Divulgação)

Das lembranças tenebrosas que o mundo guarda de Auschwitz, não parece fazer sentido que canções de ninar pudessem acalmar crianças num campo de concentração nazista. Mas foi assim, cantando uma carinhosa cantiga, que a enfermeira alemã Helene Hannemann teria deixado sua casa às pressas com o marido Johan, violinista de origem cigana, e os cinco filhos pequenos, escoltados por soldados da Gestapo.  De origem ariana, Helene não havia  sido presa. Mas ela escolheu seguir voluntariamente até Birkenau, em Auschwitz II , com a certeza de que seu lar era sua família, aprisionada pelos nazistas.

O livro “Canções de Ninar em Auschwitz”, do escritor espanhol Mario Escobar (Ed. Harper Collins), narra um diário ficctício baseado em pesquisa de fatos reais. Helene morreu com os demais prisioneiros do campo cigano, parte de Auschwitz destinada a essa minoria, em agosto de 1944. Segundo informações do Arquivo de Auschwitz, nem um registro restou de sua família, nem fotos suas.  O escritor e historiador joga luz no genocídio de 20 mil pessoas de origem cigana, aprisionadas e mortas em Auschwitz. Mais de 250 mil romenos foram assassinados na Europa e na Rússia durante a Segunda Guerra Mundial.

RESISTÊNCIA  Na luta para proteger da morte seus cinco filhos, Helene driblou o terror por 16 meses
RESISTÊNCIA
Na luta para proteger da morte seus cinco filhos, Helene driblou o terror por 16 meses (Crédito:Divulgação)

Por ser alemã e prisioneira voluntária, Helene conquistou por algum tempo o respeito do carrasco nazista Josef Mengele, que atuava no campo de concentração do nazismo. Na primeira vez em que se deparou com o “Anjo da Morte”, ela se apresentou como ariana, enfermeira e mãe de filhos de origem cigana. Ao salvar suas crianças da morte, ela evitou o extermínio de milhares de pessoas, convencendo o médico rever a decisão de executar os ocupantes de dois pavilhões pelo risco de contrair tifo.

Helene foi autorizada por Mengele a criar e dirigir uma creche no campo polonês. “Por isso, Mengele considerava a opinião dela. Mas, acima de tudo, Mengele queria que ela criasse a creche no Campo Cigano (onde as famílias, diferentemente dos judeus, podiam ficar juntas com seus filhos). Suas intenções eram guiadas por seu interesse pessoal.” O médico fazia experiências genéticas.

Enquanto viveu, Helene Hannemann continuou cantando canções de ninar para seus filhos e outras crianças de Auschwitz.  A melodia era do compositor alemão Johannes Brahms.  Ela abriu espaço para o amor, mesmo em lugar de horror e morte. “Helene utilizava as cantigas de ninar para acalmar seus filhos, algo muito natural em uma mãe”, diz Escobar. “O que ela realmente queria era que eles vissem a realidade através de seus olhos.”  Segundo o historiador, Helene foi capz de acalmar todo o acampamento cigano em Auschwitz.

“Helene dominou, em parte, o monstro interior de Mengele”

Mario Escobar diz que “Canções de Ninar de Auschwitz” foi o livro mais difícil que escreveu. “Vivemos em uma sociedade que pensa pouco e age impulsivamente. A realidade nos domina. O que realmente importa é o amor que podemos sentir pelos outros. Espero seguir o caminho de Helene, que se doava sem esperar nada em troca. De Madri, o escritor e historiador espanhol falou a IstoÉ:

2426_Cultura_LIVROS-02

ISTOÉ – Os diários de Helene Hannemann existem?  
Mario Scobar – Descobri a história de Helene por meio de Miguel Palacios, presidente da Asociación para la Memoria del Genocidio Gitano (Associação para a Memória do Genocídio Cigano) na Espanha. Quando soube da vida dessa grande mulher, entrei em contato com o Arquivo de Auschwitz e me confirmaram a veracidade dos fatos e de muitas das informações sobre sua história. Não havia propriamente um diário de Helene, mas graças às informações que restavam, foi possível reconstruir sua vida em Birkenau, Auschwitz II.

ISTOÉ – O que mais o emocionou nessa história?
Mario Scobar – Há várias coisas na vida de Helene que me emocionam. A primeira é o fato de ela ter ido voluntariamente a Auschwitz para acompanhar sua família. Ela, como uma mulher ariana, não precisaria ter ido, mas teve a coragem de deixar tudo para trás e seguir seu marido cigano e seus filhos. Além disso, também fico tocado com toda a sua entrega por seus filhos no Campo Cigano de Birkenau e por sua coragem de criar uma creche. Realmente foi uma vida inspiradora. Ao escrever, me senti muito próximo dessa força de Helene, que me transformou em um embaixador de sua causa.

ISTOÉ – Como o sr. explica que ela tenha convencido Mengele de poupar seus filhos e cancelar o extermínio de milhares de pessoas nos pavilhões 8 e 14 de Auschwitz ?
Scobar – Mengele respeitava Helene porque ela representava o que ele acreditava ser uma mãe perfeita. Por isso, ele considerava a opinião dela. Porém, acima de tudo, Mengele queria que ela criasse a creche no Campo Cigano. Ele sempre tinha um propósito no que fazia.

ISTOÉ – Como o sr. definiria o pensamento de Mengele diante de Helene? 
Scobar – Mengele a admirava, mas não a entendia. Ele queria que as mulheres arianas tivessem muitos filhos para semear o mundo, mas Helene tinha se casado com alguém que, para ele, era de uma raça inferior. Hoje, é difícil entendê-lo, mas o fanatismo de Mengele e sua ambição o impediam de ver as coisas com o mínimo de compaixão e misericórdia. Os nazistas haviam destruído sua consciência.

ISTOÉ – No prólogo, Mengele narra o começo da história. Por que fez essa escolha?
Scobar – Achei que seria mais adequado pensarmos como era possível que um homem como Mengele permanecesse livre, sem pagar por seus crimes, enquanto Helene sofria sem ter causado mal algum. Às vezes não sofremos neste mundo as consequências de nossos atos. Por outro lado, a vida de Helene será lembrada como a de uma grande mulher, e a de Mengele, como a de um assassino infame.

ISTOÉ –  O sr. diz que este foi o livro mais difícil que escreveu e também que lhe ensinou a inventar menos desculpas para seus erros e fraquezas. Por quê?
Scobar – Vivemos em uma sociedade que pensa pouco e age impulsivamente. A realidade nos domina e nos esquecemos das coisas importantes da vida. Não importa o que tenhamos ou conquistemos, o que realmente importa é o amor pelos outros, especialmente pela nossa família. Espero seguir o caminho de Helene, que se doava aos outros sem esperar nada em troca.

ISTOÉ – O sr. diria que Helene convenceu, enganou ou comoveu Mengele?
Scobar – Ela conseguiu, em parte, dominar o monstro interior dele. Pelo menos, ela o fez duvidar de sua conduta, mas Mengele era o protótipo do nazista medíocre com sonhos de grandeza que acreditava que a compaixão e a misericórdia eram fraquezas humanas.

ISTOÉ – Canções de ninar é a última coisa a se pensar sobre um campo de concentração. Helene cantava para acalmar os filhos. Por que escolheu este título?
Scobar – Quis ressaltar o paradoxo que era o fato de o amor ter encontrado espaço em Auschwitz. Helene utilizava as cantigas de ninar para acalmar seus filhos, algo muito natural em uma mãe. Dessa forma, ela os envolvia em paz e tranquilidade. O que ela realmente queria era que eles vissem a realidade através de seus olhos.