Comportamento

Cidadãos de Beirute reencontram animais de estimação perdidos durante explosão

Cidadãos de Beirute reencontram animais de estimação perdidos durante explosão

Para os libaneses cujas casas foram atingidas pela explosão, os animais de estimação são a última ligação com o lar destruído - AFP/Arquivos

Uma jovem mulher libanesa visivelmente emocionada abraça com força seu gato contra o peito, aliviada como tantos por reencontrar seu animal de estimação depois da explosão que atingiu a capital do país, Beirute.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Os pets têm sido uma espécie de consolo para muitos dos que foram afetados pelo grave incidente ocorrido em 4 de agosto.

A monstruosa explosão no porto estilhaçou vidros e atirou uma série de destroços pelos ares, matando mais de 170 pessoas e ferindo ao menos outras 6.500 outras em toda a cidade.

No caos seguinte ao desastre, muitos animais de estimação, alguns deles feridos, fugiram de suas casas.

Yandi Sfeir, uma advogada de 38 anos, ficou ferida e teve que correr para o hospital, onde recebeu seis pontos no braço.

Quando voltou para casa, seu gato Lucky havia desaparecido. O animal de estimação foi encontrado sete dias depois, três metros abaixo do solo, sem comida ou água.

Voluntários de um grupo de direitos dos animais, o Animals Lebanon, concentraram esforços para levar os animais de estimação para se reunir com seus donos e ajudaram a resgatar Lucky.

“Eu esperava que alguém o tivesse encontrado e estivesse cuidando dele. Mas a alegria que senti quando o vi foi como se um peso tivesse sido retirado das minhas costas”, disse Sfeir à AFP.

A presença de Lucky trouxe conforto enquanto ela tenta lidar com o trauma do desastre, conta a advogada.

“Ainda sinto as vibrações que antecederam as explosões. Estou sempre preocupada que algo vá acontecer”.

Desde a explosão, Sfeir evitava dormir sozinha em casa, pedindo sempre a sua mãe ou amigos para lhe fazerem companhia.

Lucky “vai me ajudar a dormir em casa novamente”, relata a libanesa, acrescentando que o comportamento do gato também mudou – ele pula ao menor ruído.

Segundo a Animals Lebanon, Lucky foi um dos mais de 100 animais de estimação rque puderam ser devolvidos às respectivas famílias, graças aos esforços de instituições de caridade e centenas de voluntários.

“Os animais têm um efeito lindo nas pessoas, um efeito terapêutico, e essas pessoas ficam tão felizes ao ver que seu animal ainda está vivo, é como se esquecessem que perderam tudo”, disse à AFP Maggie Shaarawi, vice-presidente da Animals Lebanon.

A catástrofe “trouxe a compaixão de todos pelos seres vivos em geral e é algo realmente lindo, as pessoas estão unidas em muitas frentes”.

Para as centenas de milhares de libaneses que tiveram os lares atingidos, muitos deles quase que totalmente destruídos, os animais de estimação são “o último elo com sua casa”, explica Kamal Khatib, um dos voluntários.

O grupo já reuniu dezenas de proprietários com seus cães e gatos, contou Khatib. “É uma sensação incrível vê-los se encontrar novamente.”

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea