Um total de 19 mortos, rios transbordados e múltiplos danos em estradas são os resultados das chuvas que assolam a América Central há uma semana, especialmente Guatemala, El Salvador e Honduras, informaram nesta quinta-feira (20) as instituições de socorro.

Em El Salvador, o país mais afetado, foram registrados 13 óbitos, após a morte de uma menina nesta quinta, quando sua casa foi soterrada por um deslizamento de terra no distrito de Santo Tomás, no sudeste de San Salvador, informou a Defesa Civil na rede social X.

Na vizinha Guatemala, a Coordenadoria Nacional para a Redução de Desastres (Conred) relatou cinco falecidos: dois soterrados e três arrastados pela cheia de um rio.

Em Honduras, um idoso morreu ao tentar atravessar um rio, de acordo com a Comissão Permanente de Contingências (Copeco).

O temporal, segundo o ministro salvadorenho do Meio Ambiente, Fernando López, continuará até sábado, produto de um sistema de baixa pressão no Pacífico e da influência indireta da tempestade tropical Alberto, que causou quatro mortes no México.

Autoridades dos países afetados começaram a fazer um levantamento dos danos na infraestrutura e também nas plantações.

O ministro de Obras Públicas de El Salvador, Romeo Rodríguez, informou que no país foram registrados 173 deslizamentos de terra e 406 estradas obstruídas.

E segundo o titular da Educação, Mauricio Pineda, cerca de 400 escolas sofreram “algum tipo de dano” em todo o país.

Na Guatemala, as precipitações deixaram, em uma semana, 1.752 desabrigados, a destruição de uma ponte e danos em 149 trechos de estradas.

As chuvas, de acordo com a Copeco, prejudicaram 7.451 pessoas em Honduras.

Na Nicarágua, também foram registrados danos em estradas e casas inundadas, indicou o Sistema Nacional para a Prevenção, Mitigação e Atenção a Desastres (Sinapred).

Todos os anos, a temporada de chuvas causa dezenas e até centenas de mortes e grandes danos à infraestrutura na América Central, uma das regiões mais vulneráveis às mudanças climáticas.