Cultura

‘Chuck não sabe se colocar no mundo’

Entrevista, Marcelo Médici, ator.

Como você vê seu personagem, Chuck Baxter?

É um personagem naïf. Ele se diz ambicioso, mas acho que é mais um homem apaixonado. Chuck não consegue dizer ‘não’ para os colegas de trabalho e depois se arrepende. É um personagem cômico, patético, um homem que não consegue se colocar no mundo.

Como foi o trabalho de criação?

Eu me lembrava do trabalho do Jack Lemmon no filme. Mas busquei também o humor de Jerry Lewis.

Na verdade, sua atuação me fez pensar em uma homenagem a Marco Nanini, na forma engraçada e tresloucada do personagem que ele faz tão bem…

Isso muito me honra, pois Nanini, assim como Marília Pêra, a turma do Asdrúbal Trouxe o Trombone e a da TV Pirata, todos são minha referência de humor quando comecei.

Você conversa com a plateia, o que não deve ser fácil.

Tenho muita experiência por causa do meu show Cada Um Com Seus Pobrema, assim não foi difícil. Não é difícil, pois sou uma vedete mesmo (risos). O que aprendi é que, quando você fala com um, fala, na verdade, com todos.

E como é cantar?

Nada fácil, pois não sou cantor nem quero gravar CD. As músicas têm ciladas para quem não é cantor. São incríveis, mas difíceis.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.