Chuck Close: A pintura que cria a ilusão da fotografia

Chuck Close: A pintura que cria a ilusão da fotografia

Chuck Close  reinventou a pintura com seus retratos monumentais, representados com um realismo requintado graças a bolinhas coloridas que formam uma composição perfeita ao serem colocadas lado a lado. Isso mesmo. Ele usa os próprios dedos para aplicar cores em bolinhas que, juntas, formam os rostos das pessoas. O vídeo abaixo mostra seu processo de criação e seu estilo de fotorrealismo.

Para mim, Chuck Close é um dos maiores exemplos de superação, na arte e na vida pessoal. Fiquei encantada quando conheci seu trabalho no princípio da década em 80 no Museu de Arte Contemporânea de Chicago. Poucos anos depois, em 1988, ele ficou paralisado após um raro coágulo sanguíneo em sua artéria espinhal. Chegou a recuperar alguns movimentos após muita reabilitação, mas teve que adaptar seu modo de pintar usando um dispositivo para segurar o pincel a partir do seu pulso e do seu antebraço. Portanto, suas técnicas atuais de pintura resultam, em parte, de suas limitações físicas, pois a lesão o tornou incapaz de reconhecer rostos. Ele tira fotos iniciais, seus assistentes delineiam os rostos e ele pinta usando técnicas similares ao Impressionismo e Pontilhismo.

Ele é famoso por seu trabalho rigoroso, bem acabado e criando uma incrível ilusão de ótica. De perto, as bolinhas coloridas não dizem nada, mas de longe formam retratos perfeitos. Os pequenos quadradinhos repletos de tons ganham vida quando vistos de longe, transformando-se em pigmentos do retrato final. Para ele, a maioria das pinturas é um registro das decisões que o artista tomou. Revitalizando constantemente sua prática desafiando modos de representação, a obra de Chuck Close reúne várias formas de pintura, gravura, desenho, colagem, fotografia Polaroid e, mais recentemente, tapeçarias de ceda.

Chuck Close é mundialmente conhecido por revigorar a arte da pintura de retratos, desafiando o antigo domínio da pintura e inserindo componentes da fotografia, mas com um tom de modernidade graças a aerógrafos que usa em seu trabalho. Suas obras parecem pixels em mosaicos, fazendo com que a percepção do observador crie uma imagem unificada a partir da mistura de áreas distintas, de cores sobrepostas, de formas em camadas, de linhas e de impressões digitais. Seu trabalho com tintas a óleo e acrílica, diferentes modos de impressão e materiais, faz com que seus retratos permaneçam surpreendentemente e contemporâneos por décadas.

Nasceu em 1940, na cidade de Washington (Estados Unidos). Ao longo de sua infância e adolescência, a arte entrou na sua vida para ajudá-lo a superar a dificuldade de aprendizagem que tinha. Continuou desenvolvendo suas habilidades artísticas com aulas particulares de arte, desenhando e pintando a partir de modelos vivos. Estudou na Universidade de Washington, em Yale e recebeu bolsa para a universidade de Viena. No princípio, emulava os estilos de Arshile Gorky e Willem de Kooning, considerando-se um expressionista abstrato de terceira onda.

Teve sua primeira exposição individual em 1967. Rompendo com o estilo gestual que caracterizava seu trabalho de estudante, mudou em direção à figuração antes de abraçar as ferramentas da arte comercial e da ilustração. Baseando suas pinturas em imagens fotográficas, Close reduziu sua paleta para preto e branco, culminando em sua pintura em grande escala Big Nude (1967). Sua exposição individual foi polêmica por apresentar pinturas de nus masculinos.

Ao se mudar para Nova York, continuou explorando o realismo ao pintar retratos fotográficos em preto e branco de sua família e amigos em grandes telas. Abandonou a paleta estritamente monocromática em 1970 e começou a empregar um processo de três cores e a aplicar diferentes técnicas. Explorando diferentes modos de representação, começou no final dos anos 1970 a fazer uso explícito de um sistema de grade ou grade irregular com base em uma relação física com seu suporte.

Close surgiu do movimento de pintura do fotorrealismo dos anos 1970, também conhecido como super realismo, mas depois foi muito além de sua renderização inicial para explorar como a pintura de retratos metódica e sistemática, baseada em processos subjacentes da fotografia. Sua luta pela vida e pelos movimentos também criaram uma comoção e a forte associação entre a vida real, com a vulnerabilidade do corpo, e arte, com intensidade e sem barreiras.

Sua obra ‘Grande Autorretrato’ é uma pintura que pode ser encarada como divisor de águas por mostrar o método único de Close. Abandonando a visão de corpo inteiro, Close voltou-se para uma das tradições mais antigas da história da arte, o autorretrato. Close partiu parcialmente para refutar a afirmação de críticos de que era impossível para um artista famoso trabalhar apenas com retratos. A abordagem não tradicional de Close envolvia conceber e criar um tipo único de ‘foto de policial’, uma expressão em preto e branco que exacerbava as manchas do assunto e a distorção fotográfica original causada pela câmera. A devoção à ideia de uma visão impiedosa e frontal o levou a recusar todas as encomendas, já que Close usava apenas sua própria “caneca” e a de amigos próximos para seus súditos.

Desde o final dos anos 1960, Chuck Close tem se concentrado no retrato e no rosto humano na pintura e na fotografia e é um dos artistas mais celebrados em atividade hoje. Embora Close tenha empregado vários estilos de pintura ao longo de sua carreira, incluindo um intenso neorrealismo na década de 1970 e um sombrio pontilhismo na década de 1980, ele talvez seja mais conhecido por seus trabalhos mais recentes, que são compostos de uma grade cintilante e frágil definida em a diagonal.

O trabalho de Chuck Close está em importantes museus como o Art Institute (Chicago), o Museum of Art (Filadélfia), o Whitney Museum of American Art (Nova York), a Tate Gallery (Londres) e o Musee National d’Art Moderne (França). Observar suas obras é como ver a vida: há sempre uma nova forma de analisar, de olhar e de sentir os movimentos. Basta estar disposto a fazer isso. Se tiver uma boa história para compartilhar, aguardo sugestões pelo Instagram Keka Consiglio, Facebook ou no Twitter.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ O processo de formação como obra

+ Arte e algoritmo: Uma genealogia

+ Radicalmente vivo


Sobre o autor

Keka Consiglio é artista plástica, jornalista e empresária do setor de comunicação. Apaixonada por arte desde criança quando começou a estudar o tema, entregou-se de vez a esse universo ao fazer cursos e visitar museus e exposições, tanto no Brasil como no exterior. Desenvolve uma arte livre, criativa, repleta de cores e de elementos baseados em temas cotidianos, tendo a sustentabilidade presente em todo o seu processo de criação. Curiosa e motivada por desafios, vive e trabalha em São Paulo, produzindo suas coleções a partir de dois estúdios. Instagram: @keka_consiglio_artista. Site: www.kekaconsiglio.com.br


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.