Esportes

Chris Weidman relata ‘dores brutais’ e revela medo de ter perna amputada após lesão assustadora no UFC 261

Em um vídeo publicado em suas redes sociais, o ex-campeão peso-médio do Ultimate revelou que teve medo de que a sua perna fosse amputada depois da cirurgia; entenda

Chris Weidman relata ‘dores brutais’ e revela medo de ter perna amputada após lesão assustadora no UFC 261

Ainda em processo de recuperação após passar por uma delicada cirurgia na perna esquerda, em decorrência da fratura que sofreu após aplicar um chute baixo em Uriah Hall no card principal do UFC 261, realizado no último dia 24 de abril, Chris Weidman deu mais detalhes sobre sua atual situação.

Em um vídeo publicado em suas redes sociais, o ex-campeão peso-médio do Ultimate revelou que teve medo de que a sua perna fosse amputada, explicando que o fluxo sanguíneo por dentro do osso fraturado poderia não ser o ideal. Além disso, o “All American” relembrou outra cirurgia que fez, no dedo polegar, onde o mesmo caso aconteceu e, dessa forma, o lutador precisou retirá-lo e trocá-lo por um osso oriundo do quadril para evitar a amputação.

– Fiquei muito assustado com essa dor, porque estou pensando nos piores cenários. O pior deles é que o sangue não volte para o meu osso e não circule, o que significaria uma possível amputação. Isso aconteceu com meu polegar depois que lutei contra Kelvin Gastelum. Fiz uma cirurgia em um ligamento que rompeu depois de dar um gancho de esquerda nele e, cerca de oito semanas após a cirurgia, eles perceberam que o sangue não estava voltando. Então, tiveram que retirar todo o meu osso e colocar um osso do quadril lá dentro, porque o do dedo estava se deteriorando e morrendo. Então, se isso acontecesse com minha tíbia ou minha fíbula, eu não sei qual seria a consequência. Amputação, prótese de perna, tudo isso me assusta. Estou rezando e tenho certeza de que não vai acontecer, mas é uma possibilidade. Falei com um médico sobre isso e ele me disse que a tíbia tem as piores porcentagens de cura pós-cirurgia. Não é uma porcentagem alta, cerca de cinco por cento, mas é preocupante – relatou o atleta, que também falou sobre a pouca sensibilidade em algumas partes do seu pé e disse que, das 24 cirurgias que fez ao longo da carreira, essa é a mais preocupante.

– Um outro problema é que tenho dormência na planta do pé e em alguns dedos. Está formigando como se eles estivessem meio anestesiados, como seu o nervo não estivesse funcionando perfeitamente. Isso também é um pouco assustador. Fiz 23 cirurgias, esta é a minha 24ª e é completamente diferente em muitos aspectos de tudo que já fiz. Operei o pescoço, as mãos e todas as partes do corpo que você poderia imaginar, mas essa isso foi muito brutal. A dor de me levantar para ir ao banheiro ou qualquer coisa assim é muito forte. Quando eu tenho que ir ao banheiro, é preciso muita força de vontade e preparação mental para me levantar, porque assim que eu começo a ficar de pé – eu não fico em pé apoiado na perna, apenas nas muletas – o sangue começa a se acumular na minha canela e no meu pé, e a dor é absurda – concluiu.

Atualmente com 36 anos e um cartel de 15 vitórias e seis derrotas no MMA profissional, Chris Weidman já saiu do hospital e está em casa. Ainda não existe uma previsão exata, mas o ex-campeão dos médios confirmou que seu retorno ao octógono pode demorar de seis a 12 meses.

+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago