Geral

China se mantém como principal contribuinte para superávit brasileiro

A China foi a principal fonte de contribuição para o superávit da balança comercial do Brasil, com importações de US$ 4,5 bilhões em julho e de US$ 21,9 bilhões no acumulado do ano até julho. 

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Nos primeiros sete meses do ano, houve também saldo positivo com a América do Sul, de US$ 3,2 bilhões, enquanto que com a União Europeia ficou em US$ 1,6 bilhão. 

Embora tenha apresentado superávit na balança comercial com os Estados Unidos no mês de julho, não foi suficiente para reverter o déficit de US$ 3,1 bilhões acumulado no ano até julho. 

Os dados estão no Boletim de Comércio Exterior (Icomex) divulgado hoje (14) pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Segundo o Ibre, a participação da China quer seja nas exportações ou nas importações brasileiras superou a dos principais parceiros no acumulado do ano até julho. Nas exportações, a participação da China alcançou 34,1%. A União Europeia, que ficou em segundo lugar, atingiu 13,4%.

De acordo com o Icomex, na análise da participação do comércio por grandes regiões, a Ásia responde por quase 50% das exportações brasileiras, a Europa por 18,7%, a América do Norte, 12,6%, e América Latina, 11,2%. 

“Esse resultado para a Ásia e a China não é uma questão conjuntural. A ascensão da participação da China iniciada em meados da primeira década dos anos 2000 tem sido contínua e acompanhada de um aumento das commodities na pauta exportadora”, diz o Boletim.

Balança Comercial

O saldo da balança comercial de julho ficou em US$ 8,1 bilhões, que é o maior na série histórica do mês de julho. Com o resultado, o superávit acumulado nos sete primeiros meses do ano atingiu US$ 30 bilhões. 

De acordo com o Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), a queda acentuada nas importações, de 35,2% de julho de 2019 a julho de 2020, contribuiu para o desempenho e não por uma melhora nas exportações, que caíram 2,9%.

Preços

Os índices de preços e volume se mantiveram no comportamento observado no mês de junho. O volume exportado aumentou 14,2% na comparação a julho de 2020 com 2019, mas a queda nos preços de 15% provocou recuo no valor exportado. 

Nas importações, os dois índices recuaram e a redução do volume atingiu 29,7%. 

O Icomex mostrou que o efeito das plataformas de petróleo só causou impacto nas importações totais e a diferença ficou abaixo de 2 pontos percentuais. No entanto, o acumulado do ano até julho indicou que o resultado com ou sem as plataformas não pode ser desconsiderado, em especial nas importações. A redução no volume importado subiu de 4,3% para 7,5%.

Commodities

O desempenho favorável das exportações ainda é um reflexo do aumento no volume das exportações de commodities. Em julho, o volume do conjunto das principais commodities exportadas pelo Brasil cresceu 33,1% em relação a julho de 2019, ao contrário das não commodities com queda de 11,3%. A diferença também é expressiva na comparação do acumulado do ano, aumento de 15,2% das commodities e recuo de 18,2% das não commodities.

O Ibre destacou que como foi enfatizado nos últimos boletins do Icomex, a importância da China na pauta brasileira tem sido crescente e impulsionada pelo aumento do volume exportado de commodities. Após o crescimento de 51,4% entre junho de 2019 e 2020, o volume exportado registrou uma variação de 55% na comparação interanual de julho. 

A China é o principal mercado para sete dos dez principais produtos exportados pelo Brasil no mês de julho. Os principais continuam sendo a soja em grão, minério de ferro e petróleo, com 79% das exportações brasileiras para esse mercado. Outros produtos também têm registrado alta nas exportações como as carnes bovina, com aumento de 160%, e a suína, aumento de 158%.

Indústria extrativa

De julho de 2019 a julho de 2020, a indústria extrativa registrou alta nas exportações de 37,7%, o seu melhor resultado no ano, puxado pelo aumento no volume exportado de petróleo. O volume exportado da indústria de transformação foi 2,5% maior, após meses seguidos de contração.

O Icomex apontou ainda que os volumes exportados da indústria de transformação diminuíram tanto na comparação mensal, como no acumulado do ano até julho, exceto os bens não duráveis, onde estão presentes as commodities dessa indústria. O volume exportado de bens não duráveis subiu 26,1% na comparação mensal e 18,9%, no acumulado no ano.

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea