Comportamento

China confirma novos casos de misteriosa pneumonia viral

China confirma novos casos de misteriosa pneumonia viral

(Arquivo) A Síndrome Respiratória Aguda Grave matou 349 pessoas na China continental e 299 em Hong Kong em 2003 - AFP/Arquivos

A China confirmou nesta sexta-feira novos casos de uma misteriosa pneumonia viral que provoca o temor do retorno da SARS, a síndrome respiratória aguda grave que matou dezenas de pessoas no país há uma década.

Os 44 casos (inicialmente foram anunciados 27 na terça-feira) incluem 11 casos graves, afirma um comunicado divulgado pela Comissão de Saúde da cidade de Wuhan, região central da China.

“Os sinais vitais dos demais pacientes são, em geral, estáveis”, afirma o texto.

As autoridades ainda estão tentando identificar a causa das infecções, mas descartaram até o momento “a gripe, a gripe aviária, a infecção por adenovírus e outras enfermidades respiratórias comuns”.

A síndrome respiratória agudo grava (SARS, na sigla em inglês) é provocada por coronavírus.

O anúncio dos primeiros casos esta semana provocou boatos de uma nova onda de SARS e a polícia de Wuhan anunciou na quarta-feira multas a oito pessoas que “publicaram ou divulgaram informações falsas na internet sem verificação”.

Todos os pacientes estão recebendo tratamento em condições de isolamento, de acordo com as autoridades de saúde, que destacaram que não existem provas evidentes de transmissão de ser humano para ser humano.

Em 2003, quando aconteceu a crise de SARS, a Organização Mundial da Saúde (OMS) criticou a China por não divulgar o número real de casos.

Naquele ano, a síndrome matou 349 pessoas na China continental e 299 em Hong Kong.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Cantora Patricia Marx se assume lésbica aos 46 anos de idade
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior