Comportamento

China anuncia projeto de lei que censura conteúdos religiosos na internet

China anuncia projeto de lei que censura conteúdos religiosos na internet

Membros de etnia muçulmana rezam em mesquita, na cidade chinesa de Linxia - AFP/Arquivos

A prática de publicar fotos de batismo, cerimônias budistas ou missas nas redes sociais será banida em breve na China, sob um projeto de lei cujo objetivo é coagir ainda mais as religiões.

Os órgãos devidamente autorizados poderão continuar a publicar certos conteúdos religiosos, mas dentro de um quadro estritamente definido, de acordo com o projeto de lei anunciado nesta segunda-feira pelo Escritório Nacional de Assuntos Religiosos da China.

“Nenhuma organização ou indivíduo pode, em qualquer formato (texto, imagem, som, vídeo, etc.) transmitir ao vivo ou on-line venerações a Buda, queima de incenso, ordenações de monges, leituras de sutras (discursos de Buda ou seus discípulos), serviços religiosos, missas, batismos ou qualquer outra atividade religiosa”, diz o texto.

Em caso de violação da lei, as organizações infratoras poderão ser proibidas. Por outro lado, o documento não especifica as possíveis sanções aos indivíduos.

A iniciativa, que visa a promover a “estabilidade social” e lutar contra o “extremismo”, foi revelada no momento em que o Partido Comunista Chinês (PCC) está preocupado com um eventual aumento do islamismo radical, particularmente na região de Xinjiang (noroeste), onde metade da população é muçulmana.