Esportes

Chile denuncia “falsa nacionalidade” de jogador do Equador, que pode perder pontos nas Eliminatórias

A Federação de Futebol do Chile (FFCh) apresentou na Fifa uma denúncia contra o jogador Byron Castillo, que defendeu a seleção do Equador em jogos das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2022, pelo “uso de certidão de nascimento falsa, falsa declaração de idade e falsa nacionalidade”.

Caso a Fifa acolha a denúncia do Chile, o Equador pode perder os pontos dos jogos que Byron disputou pelas Eliminatórias, nas quais o Equador terminou em quarto e conquistou uma vaga direta no Mundial do Catar. A punição beneficiaria a seleção chilena, que terminou a competição em sétimo.

Em um comunicado, a FFCh informou que enviou no dia 4 de maio à Comissão Disciplinar da Fifa uma denúncia contra o jogador e a Federação Equatoriana de Futebol alegando que “existem inúmeras provas de que Castillo nasceu na Colômbia, na cidade de Tumaco, no dia 25 de julho de 1995, e não em 10 de novembro de 1998, na cidade equatoriana de General Villamil Playas”.

Pela América do Sul, se classificaram para a Copa do Mundo Brasil, Argentina, Uruguai e Equador, enquanto o Peru terminou em quinto lugar e irá disputar uma repescagem contra uma seleção da Ásia.

“O mundo do futebol não pode fechar os olhos diante de tantas provas. Não se pode aceitar a prática de irregularidades graves e conscientes no registro de jogadores, sobretudo quando falamos de uma competição mundial. Deve existir jogo limpo dentro e fora de campo”, acrescenta o comunicado da FFCh.

De acordo com os dirigentes do futebol chileno, “as investigações realizadas no Equador deram conta de um informe jurídico da Direção Nacional de Registro Civil, máxima autoridade do país neste assunto, que encontrou inconsistências na certidão de nascimento apresentada pelo jogador e informou que este documento não existia em seus arquivos internos, apontando outras deficiências no mesmo, para concluir que possivelmente é fraudulento”.

Além disso, “uma comissão investigadora da Federação Equatoriana de Futebol (FEF), destinada a esclarecer as irregularidades existentes nos registros de jogadores, concluiu que o jogador é colombiano”.

Sobre as provas apresentadas à Fifa, o advogado que representa a FFCh, Eduardo Carlezzo, contou que na denúncia consta “toda a carreira do jogador, desde 2012, quando ele foi registrado pela primeira vez no clube Norte América, até o dia de hoje”.

“Mostramos à Fifa que este clube foi identificado pela própria FEF como o epicentro das falsificações de documentos de jogadores. Foi suspenso pela quantidade de certidões adulteradas. Além disso, este registro civil da província de Guayas também esteve envolvido em procedimentos criminosos por adulteração de documentos”, acrescentou Carlezzo.

De acordo com o advogado, “o código disciplinar da Fifa fará com que o Equador perca os pontos” dos jogos disputados por Castillo “e, portanto, as seleções adversárias serão declaradas vencedoras”.

Após a denúncia, a FEF saiu em defesa de Byron Castillo e rechaçou as acusações sobre a nacionalidade do jogador.

“Devemos ser enfáticos, o jogador é cidadão equatoriano para todos os efeitos legais”, disse a federação em comunicado.

Castillo, de 23 anos, está “devidamente inscrito na autoridade legal competente” e conta com “toda a documentação nacional em ordem”, acrescentou a FEF.

Para a entidade, os “rumores” sobre a nacionalidade de Castillo são “infundados” e têm o “claro objetivo de desestabilizar” e evitar a classificação do Equador para a Copa do Mundo, “a qual foi obtida legitimamente no campo”.

“Anunciamos que a FEF está a disposição para provar na Fifa e no órgão que for necessário que sempre agiu legalmente e que nossa merecida classificação para o Mundial do Catar é fruto disso”, afirmou a federação.

pa/ma/cb